quarta-feira, 20 de março de 2013

Relações Ecológicas resumo (com questões)


Relações Ecológicas

Organismos das diferentes espécies, além de interagirem com o meio abiótico em que vivem, interagem com os outros seres vivos presentes no mesmo ambiente. Há diferentes formas de interação entre os seres formadores das comunidades bióticas de um ecossistema. Estas interações são coletivamente denominadas interações biológicas ou relações ecológicas.
As relações ecológicas se particularizam pelos tipos de relação de dependência que os seres vivos mantêm entre si e são categorizadas de acordo com benefícios e/ou prejuízos que a interação traga aos organismos envolvidos. As relações denominadas harmônicas ou positivas são aquelas nas quais há benefício mútuo, ou benefício para um dos organismos sem prejuízo para o outro. Já as relações desarmônicas ou negativas são aquelas nas quais há prejuízo para algum dos envolvidos, com benefício do outro, em geral.
Os diferentes tipos de interações, harmônicas e desarmônicas, são subdivididos, ainda, em intraespecíficas, quando ocorrem entre organismos da mesma espécie, e interespecíficas, quando os organismos envolvidos são de espécies distintas.

Relações harmônicas intraespecíficas

Como relações harmônicas intraespecíficas podemos citar a colônia e a sociedade.

Colônia

A colônia é um tipo de interação harmônica intraespecífica na qual organismos de uma mesma espécie são fisicamente unidos e trabalham por objetivos comuns à coletividade.

Colônia isomorfa

As colônias são denominadas isomorfas quando todos os indivíduos apresentam a mesma forma e não há divisão de trabalho. Um exemplo de colônias isomorfas é encontrado nos corais.

Colônia heteromorfa

Já as colônias constituídas por indivíduos que apresentam diferenciação morfológica relacionada à atividade que desempenham, são denominadas heteromorfas. Um exemplo de colônia heteromorfa é encontrado no celenterado Physalia physalis, popularmente conhecido como caravela-portuguesa.
Exemplos de colôniaÀ esquerda, vemos um exemplo de colônia isomorfa: o coral. À direita, um exemplo de colônia heteromorfa: o celenterado, Physalia physalis, ou caravela-portuguesa.À esquerda, vemos um exemplo de colônia isomorfa: o coral. À direita, um exemplo de colônia heteromorfa: o celenterado, Physalia physalis, ou caravela-portuguesa.

Sociedade

A sociedade é um tipo de interação harmônica intraespecífica que constitui-se da associação de indivíduos da mesma espécie não ligados anatomicamente e que executam suas funções de forma cooperativa. Na sociedade, há divisão de trabalho e, em geral, a morfologia dos organismos é relacionada à função que o indivíduo desempenha. Exemplos de sociedade são abelhas em colmeias  cupins em cupinzeiros e formigas em formigueiros.
Exemplos de sociedadeÀ esquerda, vemos abelhas em uma colméia. À direita, um cupinzeiro.À esquerda, vemos abelhas em uma colméia. À direita, um cupinzeiro.

Relações harmônicas interespecíficas

Como exemplos de relações harmônicas interespecíficas cita-se o comensalismo, o inquilinismo, o mutualismo e a proto-cooperação.

Comensalismo

O comensalismo é o tipo de interação harmônica interespecífica na qual uma das espécies envolvidas obtém vantagem ao se aproveitar de restos alimentares da outra, sem, entretanto, causar prejuízo. O organismo que se alimenta dos restos é chamado comensal e o outro, que provê tais restos, é chamado anfitrião.

Exemplos de comensalismo

Um exemplo de comensalismo é encontrado na relação entre o homem e Entamoeba coli, um protozoário que habita o intestino grosso humano e se nutre de seu restos digestivos, sem, no entanto, prejudicá-lo. A relação entre a rêmora (ou peixe-piolho) e o tubarão também é de comensalismo: a rêmora se fixa ao tubarão através de uma ventosa dorsal e se alimenta daquilo que foi descartado pelo tubarão. Temos também a relação entre a hiena e o leão. Quando os leões estão caçando, as hienas escondem-se esperando que todo o grupo de felinos se alimente.  As hienas aguardam apenas o momento em que os leões abandonam as carcaças das presas para só assim se alimentarem. 
Exemplos de comensaisÀ esquerda, vemos Entamoeba coli, comensal do ser humano. À direita, uma rêmora (comensal) e o tubarão.À esquerda, vemos Entamoeba coli, comensal do ser humano. À direita, uma rêmora (comensal) e o tubarão.

Inquilinismo

Exemplo de inquilinismoA figura mostra uma espécie de orquídea, Eurystyles actinosophila, vivendo associada a uma árvore.A figura mostra uma espécie de orquídea, Eurystyles actinosophila, vivendo associada a uma árvore.
O inquilinismo é o tipo de interação harmônica intraespecífica no qual uma das espécies obtém, sem prejuízo da outra, vantagem relacionada a abrigo ou sustentação/suporte. Como exemplos, podemos citar a interação entre bromélias e orquídeas com as árvores nas quais as primeiras se fixam, visando obter luminosidade adequada, sem causar danos.

Mutualismo

Associação obrigatória entre indivíduos, em que ambos se beneficiam. Ex.: líquen, bois e microorganismos do sistema digestório.
Abelhas, beija-flores e borboletas são alguns animais que se alimentam do néctar das flores. O néctar é produzido na base das pétalas das flores e é um produto rico em açucares.  Quando abelhas, borboletas e beija-flores colhem o néctar, grãos de pólen se depositam em seu corpo. O pólen contém células reprodutoras masculinas da planta. Pousando em outra flor, esses insetos deixam cair o pólen na parte feminina da planta. As duas células reprodutoras - a masculina e a feminina - irão então se unir e dar origem ao embrião (contido dentro da semente). Perceba que existe uma relação entre esses insetos e a planta em que ambos lucram. Esse tipo de relação entre duas espécies diferentes e que traz benefícios para ambas é chamada mutualismo. Os animais polinizadores obtêm alimento e a planta se reproduz.
Outro exemplo, é os liquens, associação mutualística entre algas e fungos. Os fungos protegem as algas e fornecem-lhes água, sais minerais e gás carbônico, que retiram do ambiente. As algas, por sua vez, fazem a fotossíntese e, assim, produzem parte do alimento consumido pelos fungos.

      
Liquens e polinizadores


Proto cooperação
Associação facultativa entre indivíduos, em que ambos se beneficiam. Ex.: Anêmona do Mar e paguro, gado e anum (limpeza dos carrapatos), crocodilo africano e ave palito (higiene bucal).
Às margens do rio Nilo, na África, os ecólogos perceberam a existência de um singular exemplo de protocooperação entre os perigosos crocodilos e o sublime pássaro-palito.  Durante a sesta os gigantescos crocodilos abrem sua boca permitindo que um pequeno pássaro (o pássaro-palito) fique recolhendo restos alimentares e pequenos vermes dentre suas poderosas e fortes presas.  A relação era tipicamente considerada como um exemplo de comensalismo, pois para alguns apenas o pássaro se beneficiava.  Entretanto, a retirada de vermes parasitas faz do crocodilo um beneficiado na relação, o que passa a caracterizar a protocooperação. 
Outro exemplo é do boi e do anum. Os bois e vacas são comumente atacados por parasitas externos (ectoparasitas), pequenos artrópodes conhecidos vulgarmente por carrapatos.  E o anum preto (Crotophaga ani) tem como refeição predileta estes pequenos parasitas.  A relação é benéfica para ambos (o boi se livra do parasita e o anum se alimenta).


Bernardo-eremita e Anemôna-do-mar - O bernardo-eremita é um crustáceo do gênero Pagurus cuja principal característica é a de possuir a região abdominal frágil, em razão do exoesqueleto não possuir a mesma resistência do cefalotórax.  Este crustáceo ao atingir a fase adulta (ainda em processo de crescimento, portanto realizando as mudas) procura uma concha de molusco gastrópode (caramujo) abandonada, e instala-se dentro desta.  De certa forma o crustáceo permanece protegido.  Entretanto, alguns predadores, ainda assim conseguem retirar o Pagurus de dentro da concha.  É aí que entra a anêmona-do-mar, um cnidário.  Como todos os cnidários (ou celenterados), a anêmona-do-mar é dotada de estruturas que liberam substâncias urticantes com a finalidade de defender-se.  A associação beneficia tanto a anêmona quanto o Bernardo: o Bernardo consegue proteção quando uma anêmona se instala sobre sua concha (emprestada), pois nenhum predador chega perto.  Já a anêmona beneficia-se porque seu “cardápio” alimentar melhora bastante quando de “carona” na concha do Bernardo.  A anêmona normalmente faz a captação de seus alimentos (partículas) através de seus inúmeros tentáculos, esperando que estes passem por perto.  Na carona do Bernardo há um significativo aumento no campo de alimentação para a anêmona. 


Eremita com anêmona grudada em sua concha.

Sinfilia

Indivíduos mantém em cativeiro indivíduos de outra espécie, para obter vantagens. Ex.: formigas e pulgões.
Os pulgões são parasitas de certos vegetais, e se alimentam da seiva elaborada que retiram dos vasos liberinos das plantas. A seiva elaborada é rica em açúcares e pobre em aminoácidos. Por absorverem muito açúcar, os pulgões eliminam o seu excesso pelo ânus. Esse açúcar eliminado é aproveitado pelas formigas, que chegam a acariciar com suas antenas o abdômen dos pulgões, fazendo-os eliminar mais açúcar. As formigas transportam os pulgões para os seus formigueiros e os colocam sobre raízes delicadas, para que delas retirem a seiva elaborada. Muitas vezes as formigas cuidam da prole dos pulgões para que no futuro, escravizando-os, obtenham açúcar. Quando se leva em consideração o fato das formigas protegerem os pulgões das joaninhas, a interação é harmônica, sendo um tipo de protocooperação.

Relações desarmônicas intraespecíficas

Como relações desarmônicas intraespecíficas, tem-se os exemplos do canibalismo e a competição.

Canibalismo

O canibalismo é uma relação desarmônica intraespecífica na qual indivíduos comem outros de sua própria espécie. Como exemplos, cita-se a aranha popularmente conhecida como viúva-negra e o inseto louva-a-deus, espécies cujas fêmeas, logo após o acasalamento, devoram os machos, visando obtenção de nutrientes para o desenvolvimento dos ovos.
Exemplo de espécies canibaisAs figuras mostram a aranha viúva-negra-americana (esquerda) e o inseto conhecido como louva-a-deus (direita), espécies cujas fêmeas são canibais, por comerem o macho após o acasalamento.As figuras mostram a aranha viúva-negra-americana (esquerda) e o inseto conhecido como louva-a-deus (direita), espécies cujas fêmeas são canibais, por comerem o macho após o acasalamento.

Competição

A competição é a interação desarmônica na qual indivíduos disputam algo, como alimento, território ou luminosidade, por exemplo. Pode ser intraespecífica ou interespecífica (veja abaixo), mas, nos dois casos, essa interação favorece uma seleção que, em geral, preserva as formas de vida melhor adaptadas e extingue os indivíduos com baixa capacidade de adaptação. Dessa forma, a competição constitui-se um importante fator regulador do nível e da densidade populacional, contribuindo para evitar a superpopulação das espécies. Na competição intraespecífica, indivíduos da mesma espécies disputam entre si fatores ambientais que, eventualmente, encontrem-se em quantidade limitada, como alimento e água ou, ainda, pode haver disputa por acasalamento.

Relações desarmônicas interespecíficas

Como relações desarmônicas interespecíficas, tem-se os exemplos do amensalismo, a competição, o parasitismo e o predatismo.

Amensalismo

Exemplo de amensalismoA figura mostra colônias de fungos do gênero *Penicillum* (círculos amarronzados) inibindo o crescimento da bactéria *Staphylococcus aureus*.A figura mostra colônias de fungos do gênero *Penicillum* (círculos amarronzados) inibindo o crescimento da bactéria *Staphylococcus aureus*.
O amensalismo é um tipo de relação desarmônica interespecífica na qual uma espécie é prejudicada sem que haja qualquer prejuízo ou benefício para a outra. Neste tipo de interação, indivíduos de uma espécie secretam substâncias que prejudicam ou mesmo impedem o desenvolvimento de outras espécies. Como exemplos, podemos citar os fungos que secretam antibióticos bactericidas ou plantas que liberam no solo substâncias inibidoras do desenvolvimento de plantas de outras espécies.

Competição

A competição, quando interespecífica, acontece entre indivíduos de espécies diferentes e também é fruto da disputa pelos mesmos recursos do ambiente. Como exemplo, podemos citar árvores de espécies distintas que, ao crescerem próximas umas das outras, podem vir a competir pelo espaço para que suas copas possam se desenvolver e, assim, obter luz solar em quantidade suficiente. Podemos citar outro exemplo, como o peixe piloto e a rêmora que comem os restos deixados pelos tubarões por tanto possuindo o mesmo nicho ecológico e acabam disputando por espaço nele.
   
Peixe piloto e rêmora em volta do tubarão

Parasitismo

O parasitismo é uma interação desarmônica interespecífica na qual um dos seres, denominado parasita, habita o organismo do outro, denominado hospedeiro, do qual retira alimento e abrigo. Apesar dos parasitas poderem ser letais aos hospedeiros, de modo geral essa associação tende ao equilíbrio, já que a morte do hospedeiro é nociva ao parasita. Assim, nas espécies que convivem com determinadas associações parasitárias há muito tempo, raramente verifica-se a morte do hospedeiro pelo parasita.

Exemplos de parasitismo

Como exemplo, podemos citar o protozoário intracelular Trypanosoma cruzi, que tem o tatu como um de seus hospedeiros naturais e a quem geralmente não causa lesões graves ou morte, ao passo que, ao parasitar humanos, causa a Doença de Chagas, patologia com alta morbidade e óbitos relativamente freqüentes. Os parasitas também podem viver no exterior do hospedeiro e, neste caso, são chamados ectoparasitas. Como exemplos deste tipo de parasitas, bastante comuns, citamos carrapato, piolho e pulga.
Exemplos de parasitismoÀ esquerda, vemos imagem de um carrapato. Ao centro, um piolho e à direita, imagem de uma pulga.À esquerda, vemos imagem de um carrapato. Ao centro, um piolho e à direita, imagem de uma pulga.

Predatismo

O predatismo é uma relação desarmônica interespecífica na qual um ser vivo captura e mata um indivíduo de outra espécie para se alimentar. Todos os carnívoros são animais predadores. Algumas espécies desenvolveram adaptações para se defenderem do predatismo. Confira algumas dessas adaptações:
  • mimetismo: espécies que apresentam características, como coloração, textura, forma ou comportamento, que os confundem com um outro grupo de organismos;
  • camuflagem: adaptação morfológica pela qual uma espécie procura confundir suas vítimas ou seus agressores revelando cor e/ou forma semelhante ao ambiente;
  • aposematismo: médoto que espécies empregam para alertar sobre suas defesas, exibindo cores de advertência, vivas e marcantes, indicando seu veneno e/ou gosto desagradável, a fim de afastar seus possíveis predadores.

Resumo das relações ecológicas

Classificação da relação ecológicaTipoExemplo
Relações harmônicasintraespecíficascolôniacoral
sociedadeabelhas em colmeia
interespecíficascomensalismorêmora x tubarão
inquilinismoorquídeas x árvores
mutualismoprotozoário x cupim
protocooperaçãopássaro-palito x crocodilo
Relações desarmônicas
intraespecíficascanibalismoaranha viúva-negra
competiçãodisputa por fêmea
interespecíficasamensalismofungo x bactéria
competiçãoárvores por luz
parasitismocarrapato
predatismocarnívoros
Fontes: http://rachacuca.com.br/educacao/biologia/relacoes-ecologicas/
            http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Ecologia/relacoesecologicas2.php


Exercícios sobre relações ecológicas

1) (UEL-PR) Considere o seguinte relato:

“O pássaro-palito penetra na boca aberta do crocodilo removendo os restos de alimento e parasitas encontrados entre seus dentes. Assim, o pássaro obtém o seu alimento e livra o crocodilo de seus parasitas”. Esse caso é um exemplo de

a) proto-cooperação.
b) comensalismo.
c) inquilinismo.
d) mutualismo.
e) predativismo.

2) (Unesp-SP) Um gavião, que tem sob suas penas carrapatos e piolhos, traz preso em suas garras um rato, com pulgas em seus pêlos. Entre o rato e as pulgas, entre os carrapatos e os piolhos e entre o gavião e o rato existem relações interespecíficas denominadas, respectivamente:

a) inquilinismo, competição e predatismo.
b) predatismo, competição e parasitismo.
c) parasitismo, competição e predatismo.
d) parasitismo, inquilinismo e predatismo.
e) parasitismo, predatismo e competição.

3) (Carlos Chagas-SP) A associação existente entre os ruminantes e as bactérias que vivem em seu estômago é um caso de:

a) mutualismo.
b) parasitismo.
c) comensalismo.
d) competição interespecífica.
e) competição intraespecífica.

4) Os itens abaixo contêm exemplos de diversas relações ecológicas entre os seres vivos:

I – A associação entre certos fungos e algas clorofíceas ou cianobactérias costuma ser tão íntima que ambos formam um novo tipo de organismo, o líquen;

II – Várias espécies de abelhas formam agrupamentos altamente organizados, nas quais, de modo instintivo, cada indivíduo coloca a sobrevivência da colmeia acima de sua própria;

III – Entre alguns insetos da mesma espécie, os animais mais fracos ou doentes são devorados pelos sadios;

IV – A caravela é um cnidário que vive flutuando no mar e é formada por um conjunto de indivíduos da mesma espécie que vivem fisicamente juntos, dividindo o trabalho.

As relações ecológicas que estão descritas nos itens acima são classificadas, respectivamente, como:

a) Sociedade, colônia, canibalismo e mutualismo.
b) Mutualismo, sociedade, canibalismo e colônia.
c) Comensalismo, sociedade, predatismo e colônia.
d) Mutualismo, colônia, canibalismo e sociedade.
e) Proto cooperação, colônia, predatismo e sociedade.

5) (UFPI-adaptada) Dos tipos de relações ecológicas seguintes, o único que ocorre exclusivamente entre organismos da mesma espécie é:


a)      Inquilinismo;

b)      Herbivoria;
c)       Mutualismo;
d)      Sociedade;
e)      Parasitismo.


6) (Fatec-SP) Abelhas apresentam três castas sociais: as operárias, fêmeas estéreis que realizam o trabalho da colmeia, a rainha e o zangão, encarregados da reprodução. Essa divisão de trabalho caracteriza:

a) Sociedade isomorfa com relações intraespecíficas harmônicas;
b) Sociedade heteromorfa com relações intraespecíficas harmônicas;
c) Colônia heteromorfa com relações interespecíficas harmônicas;
d) Colônia isomorfa com relações interespecíficas harmônicas;
e) Colônia heteromorfa com relações intraespecíficas harmônicas.

7) (ENEM-2011) Os vaga-lumes machos e fêmeas emitem sinais luminosos para se atraírem para o acasalamento. O macho reconhece a fêmea de sua espécie e, atraído por ela, vai ao seu encontro. Porém, existe um tipo de vaga-lume, o Photuris, cuja fêmea engana e atrai os machos de outro tipo, o Photinus, fingindo ser desse gênero. Quando o macho Photinus se aproxima da fêmea Photuris, muito maior que ele, é atacado e devorado por ela.
BERTOLDI, O.G.; VASCONCELOS, J.R. Ciências & Sociedade: a aventura da vida, a aventura da tecnologia. São Paulo: Scipione, 2000 (adaptado).

A relação descrita no texto, entre a fêmea do gênero Photuris e o macho do gênero Photinus, é um exemplo de

a) comensalismo
b) inquilinismo
c) cooperação
d) predatismo
e) mutualismo

8) (PUC-RIO 2009) As sardinhas da Califórnia foram comercializadas pela primeira vez no começo do século XX. Em 1930, mais de 60.000 toneladas eram trazidas à superfície terrestre, a cada ano. Em 1950, poucas sardinhas restaram. Curiosamente a quantidade de outro peixe – a anchova – cresceu rapidamente.

A relação existente entre a sardinha e a anchova é de:

a) mutualismo.
b) competição.
c) comensalismo.
d) amensalismo.
e) proto cooperação

9) A digestão de celulose nos ruminantes é realizada por bactérias presentes em um de seus estômagos. Essas bactérias por sua vez obtêm proteção e fonte de alimentação dentro do estômago dos ruminantes. Essa relação pode ser classificada como:

a) competição.
b) parasitismo.
c) mutualismo.
d) sociedade.
e) comensalismo.

10) (FUVEST 2009) A imagem mostra, no rio Cuiabá (Mato Grosso), um tuiuiú com uma piranha no bico. A cena representa parte de uma cadeia alimentar na natureza. No entanto, a construção de uma nova rodovia na região pode provocar desmatamento e afetar os ninhais dessa ave, provocando uma grande migração. Em uma simplificação da situação, considerando apenas essas duas espécies, assinale a afirmação que indica como essa alteração do ambiente poderá afetar as populações de tuiuiús e piranhas na referida região.

a) Aumento na população de tuiuiús e diminuição da população de piranhas.
b) Aumento na população de tuiuiús e sem alteração na população de piranhas.
c) Sem alteração na população de tuiuiús e diminuição na população de piranhas.
d) Diminuição na população de tuiuiús e aumento na população de piranhas.
e) Diminuição na população de tuiuiús e diminuição na população de piranhas.

11) Assinale a opção que indica a Relação Ecológica ilustrada nos seguintes exemplos:

I) Um cavalo está cheio de carrapatos, fixos a sua pele, sugando seu sangue.
II) A tênia é um platelminto que vive no intestino de mamíferos. 
III) Os afídeos (pulgões) são insetos que retiram seiva elaborada de certas plantas.

a) Parasitismo.
b) Competição.
c) Mutualismo.
d) Sociedade.
e) Canibalismo.

12) Moradores dizem que há risco de queda de árvores na zona norte.

(...) Um dos moradores reclama de duas árvores cheias de cupim, que ficam em frente à sua casa: " - Quero ver quando a árvore cair sobre um carro e matar alguém, o que a prefeitura vai dizer."(...) (Folha de S.Paulo, 12.01.2005.)

Embora se alimentem da madeira, os cupins são incapazes de digerir a celulose, o que é feito por certos protozoários que vivem em seu intestino. As relações inter-específicas cupim-árvore e cupim-protozoário podem ser classificadas, respectivamente, como casos de 

a) predação e comensalismo.
b) comensalismo e parasitismo.
c) parasitismo e competição. 
d) parasitismo e mutualismo.
e) inquilinismo e mutualismo.

13) No combate às larvas dos mosquitos 'Aedes' (transmissores da dengue e febre amarela) foi utilizado, com eficiência, um micro-crustáceo larvófago (Classe Copepoda). A utilização desse animal em experimentos controlados de campo e laboratório foi bem-sucedida no interior do estado de São Paulo. O método citado, não-tóxico, pode substituir o tradicional uso de DDT ou outros inseticidas para matar os mosquitos. 

A ação do micro-crustáceo em relação às larvas dos mosquitos é um exemplo de

a) amensalismo. 
b) comensalismo. 
c) predação. 
d) mutualismo. 
e) competição.

14) No combate biológico ao hospedeiro intermediário da esquistossomose, têm sido empregadas atualmente técnicas de introdução, na região, de outras espécies de caramujos, mais ágeis e resistentes, e de outros animais, como patos e marrecos. 

A ação dos caramujos e dos patos e marrecos introduzidos em regiões endêmicas, são respectivamente exemplos de relações ecológicas do tipo: 

a) parasitismo - amensalismo. 
b) competição - predatismo. 
c) competição - parasitismo. 
d) predatismo - amensalismo. 
e) predatismo - competição. 

15) Muitas plantas que possuem nectários florais são bravamente defendidas por formigas que vivem nos seus galhos, alimentando-se do néctar. Essas formigas impedem, por exemplo, que cupins subam nas árvores e se alimentem das folhas.
As relações ecológicas estabelecidas por árvore-formigas e formigas-cupins podem ser denominadas, respectivamente,

a) comensalismo e mutualismo.
b) competição e inquilinismo.
c) inquilinismo e comensalismo.
d) parasitismo e predatismo.
e) proto cooperação e competição.

16) Considere as relações ecológicas e os pares de organismos enumerados a seguir:

I. parasitismo 
II. mutualismo 
III. comensalismo 
IV. predatismo 

a) tubarão x peixe-piloto
b) cupim x protozoário 
c) árvore x pulgão
d) cobra x sapo

A associação correta é

a) Ia, lIb, IIIc, IVd
b) Ib, IIc, IIId, IVa
c) Ic, IIb, IIIa, IVd
d) Ic, IId, IIIa, IVb

17) Leia as afirmativas a seguir, que contêm exemplos de interações entre os seres vivos.

I - Os pardais são abundantes em Porto Alegre, porque encontram alimento e abrigo no ambiente construído pelo homem.
II - Várias espécies de baleias foram caçadas pelo homem nas décadas passadas.
III - Na água, a chamada "maré vermelha" pode causar a morte de milhares de peixes, como resultado da liberação de substâncias tóxicas pela proliferação excessiva de certas algas.

Podemos associá-las, respectivamente, aos tipos de interação denominados

a) mutualismo, amensalismo e parasitismo.
b) comensalismo, predação e amensalismo.
c) amensalismo, predação e comensalismo.
d) competição, parasitismo e predação.
e) cooperação, comensalismo e parasitismo.

18) Um grupo de estudantes, em visita à zona rural, observou bois e gafanhotos alimentando-se de capim; orquídeas, líquens e erva-de-passarinho em troncos de árvores; lagartos caçando insetos e, no pasto, ao lado de vários cupinzeiros, anus retirando carrapatos do dorso dois bois.

a) Identifique, entre as diferentes relações descritas no texto, dois exemplos de parasitismo.
b) Entre as relações observadas pelos estudantes, cite uma relação interespecífica de benefício mútuo e uma estrutura que indique uma relação intra-específica.

19) Entre as abelhas melíferas que não possuem ferrão, existe uma espécie que invade a colmeia da outra, a fim de roubar o mel elaborado por elas. O tipo de relação ecológica descrito é:

a) Parasitismo.
b) Predatismo.
c) Amensalismo.
d) Esclavagismo.
e) Mutualismo.

20) Os organismos ORQUÍDEAS, BROMÉLIAS, CIPÓ-CHUMBO e LEGUMINOSAS são
encontrados, geralmente, envolvidos nas relações ecológicas a seguir, respectivamente:

a) parasitismo, parasitismo, parasitismo, mutualismo.
b) epifitismo, parasitismo, parasitismo, mutualismo.
c) parasitismo, epifitismo, parasitismo, mutualismo.
d) epifitismo, epifitismo, parasitismo, mutualismo.
e) epifitismo, parasitismo, mutualismo, parasitismo.

21) Define-se parasitas como seres que:

a) se alimentam dos restos alimentares de outras espécies.
b) matam e comem seres de outras espécies.
c) inibem o crescimento de outras populações produzindo substâncias antibióticas.
d) se nutrem e crescem às custas de seres de outras espécie, sem matá-los a curto prazo.
e) vivem apoiados ou abrigados em seres de outra espécie sem causar grandes prejuízos.

22) A relação entre o homem e lombrigas é equivalente à relação observada entre:

a) pássaros Anú e bois.
b) orquídeas e árvores.
c) cipó-chumbo e árvores.
d) cupins e flagelados.
e) pássaro-palito e crocodilo.

Gabarito: 

1) A    2) C   3) A    4) B    5) D   6) B   7) D   8) B   9) C   10) D   11) A    12) D   13) C   14) B
15) E  16) C   17) B   18) a) Podemos identificar relações de parasitismo entre: carrapato x gado bovino        erva-de-passarinho x árvore hospedeira       
b) Relações interespecíficas de benefício mútuo: líquens (algas + fungos) - mutualismo
anu x boi - cooperação           Relação intraespecífica: cupinzeiro - sociedade
19) D   20) D   21) D  22) C
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário:

Postar um comentário