terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Platelmintos questões vestibular


Artigo sobre as características dos Platelmintos com questões de vestibular

Platelmintos

Os platelmintos são vermes que surgiram na Terra há provavelmente cerca de 600 milhões de anos. Esses animais têm o corpo geralmente achatado, daí o nome do grupo: platelmintos (do grego platy: 'achatado'; e helmin: 'verme').

Os platelmintos, que compreendem em torno de 15 mil espécies, vivem principalmente em ambientes aquáticos, como oceanos, rios e lagos; são encontrados também em ambientes terrestres úmidos. Alguns têm vida livre, outros parasitam animais diversos, especialmente vertebrados.

Medindo desde alguns milímetros até metros de comprimento, os platelmintos possuem tubo digestório incompleto, ou seja, têm apenas uma abertura - a boca-, por onde ingerem alimentos e eliminam as fezes; portanto, não possuem ânus. Alguns nem tubo digestório têm e vivem adaptados à vida parasitária, absorvendo, através da pele, o alimento previamente digerido pelo organismo hospedeiro.

Entre os muitos exemplos de platelmintos vamos estudar as planárias, as tênias e os esquistossomos.

 Planárias




O tamanho de uma planária é bastante variável, sendo de alguns milímetros a até mais de 60 cm. São hermafroditas, ou seja, o mesmo indivíduo apresenta os sexos masculino e feminino. São animais comumente tropicais, mas com algumas espécies viventes em regiões temperadas. Há poucos estudos a respeito da biologia  do animal. São vermes terrestres, confinados a ambientes muito úmidos, escondendo-se embaixo de troncos e do folhiço. É um animal de hábitos noturnos, escondendo-se durante o dia para evitar a dessecação e saindo à noite para se alimentar.

A dieta é baseada em outros invertebrados terrestres e rastejantes, como caracóis-de-jardim (Bradybaena similaris), minhocas (gêneros da família Enchitraeidae) e tatuzinhos-de-jardim (isópodes terrestres). A boca da planária serve tanto para a ingestão como para a egestão do alimento, já que o ânus está ausente. Geralmente a boca está localizada na superfície ventral do corpo. O alimento é capturado vivo. A planária enrola-se na presa e envolve-a com uma substância viscosa prendendo-a ao substrato por meio de órgãos adesivos. Eles então ingerem a presa inteira por meio de sucção ou de bombeamento. Algumas espécies apunhalam a presa com o pênis, que termina num estilete duro e se projeta pela boca.

São animais rastejantes e utilizam os cílios presentes na superfície do corpo para dar força de propulsão. Algumas planárias também utilizam as ondulações musculares para se locomoverem. As ondas transversais de contração passam ao longo do corpo, elevando e abaixando a superfície ventral.

A reprodução das planárias pode se dar de maneira assexuada através de fissão transversal ou sexuadamente pela reprodução cruzada. A reprodução assexuada por fissão transversal ocorre de maneira simples e freqüente. Em determinada época o animal apenas se parte, em geral, atrás da boca e a separação é dependente da locomoção. A parte posterior do animal se fixa ao substrato enquanto que a metade anterior continua a mover-se para frente até que o verme repentinamente se quebra em dois. Cada parte se regenera e forma dois indivíduos novos e pequenos. A reprodução sexuada se dá de maneira cruzada entre dois indivíduos. Mesmo sendo hermafrodita, a autofecundação é muito difícil. Quando dois vermes se encontram as extremidades anteriores se entrelaçam e ocorre a introdução recíproca do pênis. Sempre um dos vermes fica com o dorso voltado para o substrato. Após a introdução do pênis, os animais permanecem imóveis nesta posição por aproximadamente 40 - 50 minutos (já foi observado uma cópula com até 2 horas de duração em exemplares grandes). Após algum tempo após a cópula (de 5 a 49 dias) ocorre a postura dos casulos que são envoltos em uma espuma branca que os prende ao substrato. A eclosão dos casulos se dá em tempo variável, em torno de 18 a 43 dias (em média 29 dias) dependendo da umidade e da temperatura. Nascem indivíduos com aproximadamente 0,3 a 0,4 cm de comprimento.



As tênias e a teníase


A teníase é uma doença causada pela forma adulta das tênias, Taenia solium, do porco e Taenia saginata, do boi). Muitas vezes, o paciente nem sabe que convive com o parasita em seu intestino delgado.
As tênias também são chamadas de "solitárias", porque, na maioria dos caso, o portador traz apenas um verme adulto.
 
São altamente competitivas pelo habitat e, sendo hermafroditas com estruturas fisiológicas para autofecundação, não necessitam de parceiros para a cópula e postura de ovos.
O homem portador da verminose apresenta a tênia no estado adulto de seu intestino, sendo, portanto, o hospedeiro definitivo. Os últimos anéis ou proglótides são hermafroditas e aptos à fecundação. Geralmente, os espermatozóides de um anel fecundam os óvulos de outro segmento, no mesmo animal.
A quantidade de ovos produzidos é muito grande (30 a 80 mil em cada proglote), sendo uma garantia para a perpetuação e propagação da espécie. Os anéis grávidos se desprendem periodicamente e caem com as fezes.

hospedeiro intermediário é o porco, animal que, por ser coprófago (que se alimenta de fezes), ingere os proglótides grávidos ou os ovos que foram liberados no meio. Dentro do intestino do animal, os embriões deixam a proteção dos ovos e, por meio de seis ganchos, perfuram a mucosa intestinal. Pela circulação sangüínea, alcançam os músculos e o fígado do porco, transformando-se em larvas denominadas cisticercos, que apresentam o escólex invaginado numa vesícula. 
Quando o homem se alimenta de carne suína crua ou mal cozida contendo estes cisticercos, as vesículas são digeridas, liberando o escólex que se everte e fixa-se nas paredes intestinais através dos ganchos e ventosas. 
O homem com tais características desenvolve a teníase, isto é, está com o helminte no estado adulto, e é o seu hospedeiro definitivo. 
Os cisticercos apresentam-se semelhantes a pérolas esbranquiçadas, com diâmetros variáveis, normalmente do tamanho de uma ervilha. Na linguagem popular, são chamados de "pipoquinhas" ou "canjiquinhas".

CICLO DA TENÍASE


Esquema do Ciclo da Doença


  1. Cada proglótide produz gametas masculino e feminino que se fecundam, formando muitos ovos;
  2. As proglótides cheias de ovos se destacam do corpo da tênia e são eliminados com as fezes da pessoa infectada (hospedeiro definitivo);
  3. Os ovos podem contaminar a água ou os alimentos e, se forem ingeridos por bovinos e suínos (hospedeiros intermediários), irão se alojar na carne desses animais, formando larvas chamadas cisticercos (popularmente conhecidos por "canjiquinhas");
  4. Ao comer carne mal cozida de animais infectados, o ser humano ingere cisticercos, que em seu intestino darão origem a tênias adultas, causando a doença chamada: Teníase.
Sintomas: A infestação por tênia provoca sintomas relativamente brandos no hospedeiro, como diarreias, prisão de ventre, insônia e irritabilidade. A pessoa atacada pela verminose é geralmente magra, pois o parasita compete com ela pelo alimento ingerido. Além disso, frequentemente ocorre anemia, acompanhada de indisposição e cansaço, provocados por substâncias tóxicas liberadas pelo verme.


Profilaxia: Para combater a teníase é preciso adotar medidas preventivas que evitem ou reduzam a infestação. Algumas formas de prevenção são:
  • Impedir que os ovos de tênias sejam ingeridos por animais como porcos e vacas, ou que contaminem rios e lagos, no caso de tênias-de-peixe, para isso é preciso construir instalações sanitárias adequadas, com fossas sépticas ou sistemas de esgotos;
  • Evitar comer carne crua ou malcozida, principalmente quando não se conhece a procedência desses alimentos. O cozimento mata a tênia dentro do cisticerco.
  • Saneamento básico, fiscalização, cozimento prolongado, higienização.
      Atualmente o número de pessoas infestadas por tênias tem diminuído graças à maior fiscalização sanitária de matadouros e frigoríficos. É fácil identificar um animal infestado através da análise da musculatura da mandíbula, da língua, do coração e do diafragma, onde há maior incidência de formação dos cisticercos.


Tratamento: Consiste, principalmente, na aplicação de dose única (2g) de niclosamida. Podem ser usadas outras drogas alternativas, como diclorofeno, mebendazol, etc. Substâncias laxantes são pouco eficazes contra as tênias, principalmente no caso daTaenia solium. A fixação do escólex no intestino é tão eficiente que, muitas vezes, apesar de o verme ser eliminado quase por inteiro, essa estrutura se mantém e origina novas proglótides. Atualmente existem tratamentos eficazes para eliminar os vermes do intestino.


Fontes: AMABIS, José Mariano, 1947. Biologia dos Organismos/ José Mariano Amabis, Gilberto Rodrigos Martho. 2ed. São Paulo: Moderna, 2004.
http://migre.me/5Sj3n
http://migre.me/5SuF7


Esquistossomos e a Esquistossomose


O esquistossomo (Schistosoma. hematobium, Schistosoma intercalatum, Schistosoma japonicum, Schistosoma malayensis, Schistosoma mansoni e Schistosoma mekongi)  é um verme parasita e platelminte (de corpo achatado). A transmissão se dá pelos ovos, que penetram na pele  humana. Causa a Esquistossomose, Bilharzíase ou barriga d'água (a barriga cresce devido ao inchacho do fígado). Na América apenas o Schistosoma mansoni é encontrado.


esquistosomo


Sintomas:
Começa com a disseminação das larvas pelo sangue e a divisão das larvas nos pulmões e depois no fígado, que ativa o sistema imunitário surgindo:

- febre;
- mal estar;
- dores de cabeça;
- fraqueza;
- dor abdominal;
- diarreia com sangue;
- falta de ar;
- tosse com sangue. 




Previna-se:

- saneamento básico com esgotos e água tratadas;
- erradicação dos caramujos que são hospedeiros intermediários da doença;
- proteção dos pés e pernas com botas de borracha com solado antiderrapante;
- informar a população das medidas preventivas da doença;
- evitar entrar em contato com água que contenha caramujos.
O conjunto destes sintomas chama-se "Katayama".


CICLO DA ESQUISTOSSOMOSE



  1. Os vermes adultos vivem no interior das veias do interior do fígado. Durante o acasalamento, encaminham-se para as veias da parede intestinal executando, portanto, o caminho inverso ao do fluxo sanguíneo.
  2. Lá chegando, separam-se e a fêmea inicia a postura de ovos (mais de 1.000 por dia) em veias de pequeno calibre que ficam próximas a parede do intestino grosso. Os ovos ficam enfileirados e cada um possui um pequeno espinho lateral. Cada um deles produz enzimas que perfuram a parede intestinal e um a um vão sendo liberados na luz do intestino.
  3. Misturados com as fezes, alcançam o meio externo. Caindo em meio apropriado, como lagoas, açudes e represas de água parada, cada ovo se rompe e libera uma larva ciliada, o miracídio, que permanece vivo por apenas algumas horas.
  4. Para continuar o seu ciclo vital, cada miracídio precisa penetrar em um caramujo do gênero Biomphalaria. Dentro do caramujo, perde os cílios e passa por um ciclo de reprodução assexuada que gera, depois de 30 dias, numerosas larvas de cauda bifurcada, as cercárias.
  5. Cada cercária permanece viva de 1 a 3 dias. Nesse período, precisa penetrar através da pele de alguém, por meio de movimentos ativos e utilizando enzimas digestivas que abrem caminho entre as células da pele humana. No local de ingresso, é comum haver coceira. Atingindo o sangue, são encaminhadas ao seu local de vida.
Características dos Platelmintos

- Sistema circulatório: ausente (o alimento é difundido pelo organismo passando de uma célula para outra); 
- Sistema excretor: presente (formado por uma rede de túbulos denominados protonefrídeos, culminando em um poro terminal localizado na região dorsal do animal); 
- Sistema respiratório: ausente (as trocas gasosas são realizadas diretamente com o meio); 
- Sistema nervoso: presente (constituído por um par de gânglios cerebrais dispostos na região anterior, irradiando cordões nervosos até a porção posterior);
- Sistema sensorial: presente (através de células fotoreceptoras, os ocelos, esses organismos conseguem se orientar captando energia luminosa).

A reprodução é bem diversificada, existem espécies que se reproduzem assexuadamente por fragmentação, outras sexuadamente com desenvolvimento direto ou indireto (passando por estágio larval). 

Os principais representantes desse grupo são as planárias (Classe Tubelaria), e as tênias solium e saginata (Classe Cestoda) e vermes trematódeos (Classe Trematoda).

Questões sobre os Platemintos

1) (Vunesp) Existe uma frase popular usada em certas regiões relativa a lagos e açudes: “Se nadou e depois coçou, é porque pegou”. Essa frase se refere à infecção por:

a)      Plasmodium vivax;
b)      Trypanossoma cruzi;
c)       Schistosoma mansoni;
d)      Taenia solium;
e)      Ancylostoma duodenalis.

2) (Fuvest-SP) Os platelmintos parasitas Schistosoma mansoni (esquistossomo) e Taenia solium (Tênia) apresentam:

a)      A espécie humana como hospedeiro intermediário;
b)      Um invertebrado como hospedeiro intermediário;
c)       Dois tipos de hospedeiro, um intermediário e um definitivo;
d)      Dois tipos de hospedeiro, ambos vertebrados;
e)      Um único tipo de hospedeiro, que pode ser um vertebrado ou um invertebrado.

3) (UFMG) Organismos que apresentam corpo dividido em proglotes, com escólex na parte anterior e sem tubo digestivo, podem parasitar o homem através de:

a)      Contato com água contaminada;
b)      Ingestão de carne malcozida;
c)       Pés descalços;
d)      Picada de inseto;
e)      Transfusão de sangue.

4) (UFBA) Observe a figura a seguir e assinale a alternativa errada:











a)      A imagem nos mostra o ciclo da Taenia saginata, pois seu hospedeiro intermediário é o boi.
b)      Uma tênia adulta vive presa à parede do intestino delgado, onde ocorre sua autofecundação.
c)       Quando as fezes de uma pessoa contaminada são depositadas no solo por falta de instalações sanitárias adequadas, os ovos desse verme podem contaminar água e verduras e ser ingerido pelo porco ou pelo boi.
d)      Uma vez no corpo do hospedeiro intermediário, o ovo do verme eclode liberando o cisticerco, que se aloja nos músculos do animal. Nos músculos ele cresce e assume o aspecto de uma bolsa cheia de líquido chamado de oncosfera.
e)      O diagnóstico dessa doença é feito através de exames de fezes.

5) (FUVEST) Os platielmintos parasitas Schistosoma mansoni (esquistossomo) e Taenia solium (tênia) apresentam:

a) a espécie humana como hospedeiro intermediário;
b) um invertebrado como hospedeiro intermediário;
c) dois tipos de hospedeiro, um intermediário e um definitivo;
d) dois tipos de hospedeiro, ambos vertebrados;
e) um único tipo de hospedeiro, que pode ser um vertebrado ou um invertebrado.
6) (PUC) O doente que apresenta cisticercose:
 
a) foi picado por triatoma;
b) nadou em água com caramujo contaminado;
c) ingeriu ovos de tênia;
d) comeu carne de porco ou de vaca com larvas de tênia;
e) andou descalço em terras contaminadas.

7) (FUVEST) Dos parasitas do homem, comuns no Brasil, o que é transmitido por um caramujo é:
 
a) Ascaris
b) Taenia
c) Plasmodium
d) Schistosoma
e) Trypanosoma

8)  (FUVEST) Nos cisticercose, o homem pode fazer o papel de hospedeiro intermediário no ciclo evolutivo da Taenia solium (tênia). Isto acontece porque:

a) ingeriu ovos de tênia;
b) andou descalço em terras contaminadas;
c) foi picado por "barbeiro";
d) comeu carne de porco ou de vaca com larvas de tênia;
e) nadou em água com caramujo contaminado.

9) (UFES) Para não se contrair doenças como cisticercose e teníase, deve-se evitar, respectivamente:
 
a) comer verduras mal-lavadas e comer carne bovina ou suína mal passada;
b) comer carne bovina ou suína mal passada e nadar em lagoas desconhecidas;
c) comer carne com cisticerco e comer carne bovina ou suína mal passada;
d) nadas em lagoas desconhecidas e andar descalço;
e) andar descalço e comer verduras mal lavadas.
 
10) (FUVEST) Existem animais que não possuem órgão ou sistema especializado em realizar trocas gasosas. Na respiração, a absorção do oxigênio e a eliminação do gás carbônico ocorrem por difusão, através da superfície epidérmica. É o caso da:
 
a) planária
b) ostra
c) drosófila
d) barata
e) aranha

11) PUC-RS) Os platelmintos são animais que apresentam o corpo achatado e sua espessura, quase desprezível, proporciona uma grande superfície em relação ao volume, o que lhes traz vantagens. A forma achatada desses animais relaciona-se diretamente com a ausência dos sistemas:

a)  digestivo e excretor.
b)  respiratório e circulatório.
c)  excretor e circulatório.
d)  digestivo e secretor.
e)  secretor e nervoso.

12) (PUC-SP) Obtiveram-se as seguintes informações sobre o ciclo vital de um determinado parasita humano:
I. seu hospedeiro intermediário não é um artrópodo;
II. apresenta mais de um estágio larval;
III. sua fase adulta apresenta dimorfismo sexual.
 
O parasita em questão poderia ser:

a)   Taenia solium.
b)   Schistosoma mansoni.
c)   Plasmodium vivax.
d)  Ancylostoma duodenale.
e) Tiypanosoma cruzi.
  
13) (UFRS) No ciclo evolutivo da Taenia solium, as proglotes (segmentos) grávidas são eliminadas do intestino do homem juntamente com as fezes. Quando as fezes dos portadores de Taenia são lançadas à superfície do solo, contaminam o terreno. Os ovos embrionados liberam-se das proglotes e espalham-se no meio externo. O embrião só abandona o ovo no interior do tubo digestivo do porco, sendo então lançado na circulação. O embrião, atingindo os capilares, rompe-os e acaba localizando-se nos músculos, onde se encista.
Segundo essas informações, o homem e o porco são, respectivamente, os hospedeiros:

a)  definitivo e vetor.
b)  definitivo e de transporte.
c)  definitivo e intermediário.
d)  intermediário e definitivo.
e)  intermediário e vetor.

14) (Fuvest-SP)"... a represa Billings pode transformar-se em grave foco de contaminação de esquistossomose na região metropolitana de São Paulo." (Folha de S. Paulo, 20/09/84)
Essa afirmação foi feita porque na região da represa existem:
 
a) bactérias causadoras da doença.
b) protozoários causadores da doença.
c) mosquitos transmissores do vírus causador da doença.
d) barbeiros transmissores do protozoário causador da doença.
e) caramujos hospedeiros do verme causador da doença.


Gabarito:

1) C  2) C  3) B  4) D  5) C  6) C  7) D  8) A  9) A  10) A  11) B  12) B

13) C  14) E  





Nenhum comentário:

Postar um comentário