sábado, 5 de janeiro de 2013

Numeral classificação e flexão

Numeral 

É a palavra que indica quantidade exata de seres ou o lugar que os mesmos ocupam numa série.

Classificação dos Numerais

O numeral pode ser:

Cardinal - indica quantidade exata de seres:

Ex: Já li 50 páginas desta revista.

ordinal - indica a ordem dos seres numa determinada série:

Ex: Este livro está na 9ª edição.

multiplicativo - indica uma multiplicação:

o dobro, o triplo (valor de substantivo)
Tarefa dupla (valor de adjetivo)

d) Fracionário - indica uma divisão:

Ex: meio, metade, um quinto, um oitavo, etc.

Podem ser considerados numerais:

a) as palavras que designam um conjunto exato de seres: par, novena, dezena, década, dúzia, centena, resma (quinhentas folhas de papel), grosa (doze dúzias), milheiro, etc.
Tais palavras são chamadas de numerais coletivos e têm valor de substantivo.

b) zero (numeral cardinal)

c) ambos e ambas (substituem o cardinal os dois, as duas).

Flexão dos numerais


Alguns variam em gênero e número.
Dois – duas
segundo – segunda

Com funções adjetivas são variáveis.
- Ficou em coma por tomar doses triplas de veneno.

Números fracionários.
É meio-dia e meia (hora).


OBSERVAÇÕES IMPORTANTES:

1ª) Na designação de papas, reis, séculos, capítulos, tomos ou partes de obras, usam-se os ordinais para a série de 1 a 10; daí em diante, usam-se os cardinais, desde que o numeral venha depois do substantivo.

Exemplos: D. Pedro II (segundo), Luís XV (quinze), D. João VI (sexto), João XXIII (vinte e três), Pio X (décimo), Capítulo XX (vinte).

2ª) Quando o substantivo vier depois do numeral, usam-se sempre os ordinais.

Exemplos: primeira parte, décimo quinto capítulo, vigésimo século.

3ª) Na numeração de artigos, leis, decretos, portarias e outros textos legais, usa-se o ordinal até 9 e daí em diante o cardinal.

Exemplos: artigo 1° (primeiro), artigo 12 (doze).


4ª) Aos numerais que designam um conjunto determinado de seres dá-se o nome de numerais coletivos.

Exemplos: dúzia, centena.

5ª) A leitura e escrita por extenso dos cardinais compostos deve ser feita da seguinte forma:

a) Se houver dois ou três algarismos, coloca-se a conjunção e entre eles.

Exemplos: 94 = noventa e quatro ; 743 = setecentos e quarenta e três.

b) Se houver quatro algarismos, omite-se a conjunção e entre o primeiro algarismo e os demais (isto é, entre o milhar e a centena). Exemplo: 2438 = dois mil quatrocentos e trinta e oito.

Obs.: Se a centena começar por zero, o emprego do e é obrigatório.

5062 = cinco mil e sessenta e dois.

Será também obrigatório o emprego do e se a centena terminar por zeros.

2300 = dois mil e trezentos.

c) Se Houver vários grupos de três algarismos, omite-se o e entre cada um dos grupos.

5 450 126 230 = cinco bilhões quatrocentos e cinquenta milhões, cento e vinte e seis mil duzentos e trinta.

6ª) Formas variantes:

Alguns numerais admitem formas variantes como catorze / quatorze, bilhão / bilião.

Nota: As formas cincoenta (50) e hum (1) são erradas.



.
CardinaisOrdinaisMultiplicativosFracionários
umprimeiro--
doissegundodobro, duplomeio
trêsterceirotriplo, trípliceterço
quatroquartoquádruploquarto
cincoquintoquíntuploquinto
seissextosêxtuplosexto
setesétimosétuplosétimo
oitooitavoóctuplooitavo
novenononônuplonono
dezdécimodécuplodécimo
onzedécimo primeiro-onze avos
dozedécimo segundo-doze avos
trezedécimo terceiro-treze avos
catorzedécimo quarto-catorze avos
quinzedécimo quinto-quinze avos
dezesseisdécimo sexto-dezesseis avos
dezessetedécimo sétimo-dezessete avos
dezoitodécimo oitavo-dezoito avos
dezenovedécimo nono-dezenove avos
vintevigésimo-vinte avos
trintatrigésimo-trinta avos
quarentaquadragésimo-quarenta avos
cinqüentaqüinquagésimo-cinqüenta avos
sessentasexagésimo-sessenta avos
setentaseptuagésimo-setenta avos
oitentaoctogésimo-oitenta avos
noventanonagésimo-noventa avos
cemcentésimocêntuplocentésimo
duzentosducentésimo-ducentésimo
trezentostrecentésimo-trecentésimo
quatrocentosquadringentésimo-quadringentésimo
quinhentosqüingentésimo-qüingentésimo
seiscentossexcentésimo-sexcentésimo
setecentosseptingentésimo-septingentésimo
oitocentosoctingentésimo-octingentésimo
novecentosnongentésimo ou noningentésimo-nongentésimo
milmilésimo-milésimo
milhãomilionésimo-milionésimo
bilhãobilionésimo-bilionésimo


questões sobre numeral

1) Cardinais ou ordinais? Escreva por extenso.
a) Luis XVI   _____________                      b) Henrique VIII __________________    
c) Dom João VI _________________      d) capítulo II _____________        
e) João XXIII  ____________________    f) Pio XII  _____________________

2) Os ordinais referentes aos números 80, 300, 700 e 90 são, respectivamente

 a) octagésimo, trecentésimo, septingentésirno, nongentésimo
 b) octogésimo, trecentésimo, septingentésimo, nonagésimo
 c) octingentésimo, tricentésimo, septuagésimo, nonagésimo
 d) octogésimo, tricentésimo, septuagésimo, nongentésimo

3)  Identifique se o termo destacado é numeral ou artigo indefinido.

a) Você só tem uma vida. Cuide bem dela.                                                                           
b) Ele não fala uma palavra de chinês!
c) Aqueles invasores podem representar uma ameaça para os índios.
d) A decomposição desse material pode demorar um século.

4) Alguns substantivos ou adjetivos podem ser empregados para indicar quantidades numéricas. Identifique essas palavras em cada texto e escreva  seu significado.

a) Após uma década de perseguição, Maomé e seus seguidores migraram para Medina, a cerca de 300 quilômetros de Meca. O profeta veio a governar  a cidade e, vários anos depois, ele e um pequeno exército de fiéis  retornaram a Meca. (National Geographic)
b)  Há pouco mais de um século, os imigrantes trouxeram agitação para a  cidade de São Paulo. Sua grande riqueza é a sua diversidade cultural,  constituída de mais de 70 grupos étnicos e nacionais. (Folha de S. Paulo)                                                                   
c) Numa vaquejada que houve na fazenda vieram todos os vaqueiros  daquelas bandas. Meu pai matou meia dúzia de vacas e abriu pipas de vinho  branco para quem quisesse beber. Nunca se tinha dado festa igual.(Graciliano Ramos)
d) A educação indígena diferenciada e bilíngue no Acre ainda tem um longo  caminho a percorrer. A maior parte dos professores só leciona do 1º ao 5º  ano, mas já há um grupo ensinando do 6º ao 9º ano.(O Estado de S. Paulo)          
 e) Durante o Festival Toonik Tyme, os inuits, habitantes do ártico canadense,  revivem seus costumes milenares.

5) (UFPI) Aponte a alternativa em que os  numerais estão bem empregados.

a) Ao papa Paulo Seis sucedeu João Paulo Primeiro.                     
b) Após o parágrafo nono virá o parágrafo décimo.
c) Depois do capítulo sexto, li o capitulo décimo primeiro.           
d)Antes do artigo dez vem o artigo nono.
e) O artigo vigésimo  segundo foi revogado.

6) (Ufam) Assinale o item em que não é correto ler o numeral como vem indicado entre parênteses:

a) Pode-se dizer que no século IX (nono) o português já existia como língua falada. (  )
b) Pigmalião reside na casa 22 (vinte e duas) do antigo Beco do Saco do Alferes, em Aparecida. (   )
c) Abram o livro, por favor, na página 201 (duzentos e um). (   )
d) O que procuras está no art. 10 (dez) do código que tens aí à mão.(  )
e) O Papa Pio X (décimo), cuja morte teria sido apressada com o advento da Primeira Guerra Mundial, foi canonizado em 1954.(   )

7) A tabela a seguir apresenta as doze maiores cidades brasileiras em número de habitantes, segundo o censo do IBGE de 2000:


Baseando-se nesses dados, complete as frases a seguir substituindo o símbolo por um numeral adequado (escrevendo por extenso), classificando-o:

a) Em número de habitantes, Brasília ocupa o # lugar e Belém o #.
b) Salvador ocupa a posição número # da tabela.
c) Manaus ocupa a # posição da tabela.
d) Vivem em Belo Horizonte, # pessoas.
e) Há # habitantes residindo em Goiânia.

8) (Unitau)

"Vivemos numa época de tamanha insegurança externa e interna, e de tamanha carência de objetivos firmes, que a simples confissão de nossas convicções pode ser importante, mesmo que essas convicções, como todo julgamento de valor, não possam ser provadas por deduções lógicas.
Surge imediatamente a pergunta: podemos considerar a busca da verdade - ou, para dizer mais modestamente, nossos esforços para compreender o universo cognoscível através do pensamento lógico construtivo - como um objeto autônomo de nosso trabalho? Ou nossa busca da verdade deve ser subordinada a algum outro objetivo, de caráter prático, por exemplo? Essa questão não pode ser resolvida em bases lógicas. A decisão, contudo, terá considerável influência sobre nosso pensamento e nosso julgamento moral, desde que se origine numa convicção profunda e inabalável Permitam-me fazer uma confissão: para mim, o esforço no sentido de obter maior percepção e compreensão é um dos objetivos independentes sem os quais nenhum ser pensante é capaz de adotar uma atitude consciente e positiva ante a vida.
Na própria essência de nosso esforço para compreender o fato de, por um lado, tentar englobar a grande e complexa variedade das experiências humanas, e de, por outro lado, procurar a simplicidade e a economia nas hipóteses básicas. A crença de que esses dois objetivos podem existir paralelamente é, devido ao estágio primitivo de nosso conhecimento científico, uma questão de fé. Sem essa fé eu não poderia ter uma convicção firme e inabalável acerca do valor independente do conhecimento.
Essa atitude de certo modo religiosa de um homem engajado no trabalho científico tem influência sobre toda sua personalidade. Além do conhecimento proveniente da experiência acumulada, e além das regras do pensamento lógico, não existe, em princípio, nenhuma autoridade cujas confissões e declarações possam ser consideradas "Verdade " pelo cientista. Isso leva a uma situação paradoxal: uma pessoa que devota todo seu esforço a objetivos materiais se tornará, do ponto de vista social, alguém extremamente individualista, que, a princípio, só tem fé em seu próprio julgamento, e em nada mais. É possível afirmar que o individualismo intelectual e a sede de conhecimento científico apareceram simultaneamente na história e permaneceram inseparáveis desde então. "
(Einstein, in: "O Pensamento Vivo de Einstein", p. 13 e 14, 5a. edição, Martin Claret Editores)
Observe:
I. "Essa atitude de certo modo religiosa de 'um' homem engajado no trabalho..."
II. "Pedro comprou 'um' jornal"
III. "Maria mora no apartamento 'um'."
IV. "Quantos namorados você tem?" 'Um'.
A palavra "um" nas frases acima é, no plano morfológico, respectivamente:

a) artigo indefinido em I e numeral em II, III e IV.
b) artigo indefinido em I e II e numeral em III e IV.
c) artigo indefinido em I e III e numeral em II e IV.
d) artigo indefinido em I, II, III e IV.
e) artigo indefinido em III e IV e numeral em I e II.

Gabarito:

1) dezesseis, oitavo, sexto, segundo, vinte e três, doze   2) B   3) Numeral, Artigo, Artigo, Numeral
4) década(dez anos), século(cem anos), meia dúzia(seis), bilíngue( duas línguas), milenares(mil anos).   5) D
 6) B    7)   a) sexto; décimo primeiro.      b) três     c) nona    d) Dois milhões, duzentos e vinte e nove mil , seiscentos e noventa e sete pessoas.   e) Um milhão, noventa mil, quinhentos e oitenta e uma pessoas.   8) B

Nenhum comentário:

Postar um comentário