sábado, 17 de agosto de 2013

Realismo/Naturalismo - representantes e características (com questões)

Introdução ao Realismo/Naturalismo

O Realismo surge em meio ao fracasso da Revolução da França e de seus ideais de Liberdade, Igualdade e Fraternidade. A sociedade se dividia entre a classe operária e a burguesia. Logo mais tarde, em 1848, os comunistas Marx e Engels publicam o Manifesto que faz apologias à classe operária.

Uma realidade oposta ao que a sociedade tinha vivido até aquele momento surgia com o progresso tecnológico: o avanço da energia elétrica, as novas máquinas que facilitavam a vida, como o carro, por exemplo. Entre as correntes filosóficas, destacam-se: o Positivismo, o Determinismo, o Evolucionismo e o Marxismo.

Contudo, o pensamento filosófico que exerce mais influência no surgimento do Realismo é o Positivismo, o qual analisa a realidade através das observações e das constatações racionais.

Em 1857, o mesmo ano em que no Brasil era publicado O guarani, de José de Alencar, na França é publicado Madame Bovary, de Gustave Flaubert, considerado o primeiro romance realista da literatura universal. Em 1865, Claude Bernard publica Introdução à medicina experimental, com uma tese sobre a hereditariedade. Em 1867 Émile Zola publica Thérèse Raquin, inaugurando o romance naturalista.

No Brasil considera-se 1881 como o ano inaugural do Realismo. De fato, esse foi um ano fértil para a literatura brasileira, com a publicação de dois romances fundamentais, que  modificaram o curso de nossas  letras: Aluísio Azevedo publica O mulato, o primeiro romance naturalista do Brasil; Machado de Assis publica Memórias póstumas de Brás Cubas, o primeiro romance realista de nossa literatura.

Características do Realismo

  • Oposição ao idealismo romântico. Não há envolvimento sentimental
  • Representação mais fiel da realidade
  • Romance como meio de combate e crítica às instituições sociais decadentes, como o casamento, por exemplo
  • Análise dos valores burgueses com visão crítica denunciando a hipocrisia e corrupção da classe
  • Influência dos métodos experimentais
  • Narrativa minuciosa (com muitos detalhes)
  • Personagens analisadas psicologicamente
Características do naturalismo

  • Arte vinculada às novas teorias científicas e ideológicas européias (Evolucionismo, Positivismo, Determinismo, Socialismo, Medicina Experimental). Daí o outro nome do movimento, criado por Zola: romance experimental.
  • Todas as características do Realismo - menos a análise psicológica. Esta é substituída por variações deterministas que transformam os personagens em fantoches de destinos pré-estabelecidos. Segundo Taine, o homem é produto do meio, da raça e do momento histórico em que vive. Pode-se dizer assim que o Naturalismo é o Realismo mais o cientificismo da II metade do século XIX.
  •  Cientificismo sociológico e biológico. O sociológico é dado pelo determinismo do meio e do momento. O biológico pelo determinismo de raça e dos temperamentos e caracteres herdados.
  • Personagens patológicos. Para provar suas teses, os escritores naturalistas são obrigados muitas vezes a apresentar protagonistas doentios, criminosos, bêbados, histéricos, maníacos. 

Romance Realista   

Cultivado no Brasil por Machado de Assis, é uma narrativa mais preocupada com a análise psicológica, fazendo a crítica à sociedade a partir do comportamento de determinados personagens.  É interessante constatar que os cinco romances da fase realista de Machado apresentam nomes próprios em seus títulos – Brás Cubas; Quincas Borba; D. Casmurro; Esaú e Jacó; Aires –, revelando clara preocupação com o indivíduo.
O romance realista analisa a sociedade “por cima”, ou seja, seus personagens são capitalistas, pertencem à classe dominante; mais uma vez nos voltamos para a obra de Machado e percebemos que Brás Cubas não produz, vive do capital, o mesmo acontecendo com Bentinho; já Quincas Borba era louco e mendigo até receber uma herança; o único dos personagens centrais de Machado que trabalhava era Rubião (professor em Minas), mas recebe a herança de Quincas Borba, muda-se para o Rio e não trabalha mais, vivendo do capital. O romance realista é documental, retrato de uma época.

Observe o trecho abaixo:

Naquele tempo contava apenas uns quinze ou dezesseis anos; era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça, e, com certeza, a mais voluntariosa.  Não digo que já lhe coubesse a primazia da beleza, entre as mocinhas do tempo, porque isto não é romance, em que o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos às sardas e espinhas; mas também não digo que lhe maculasse o rosto nenhuma sarda ou espinha, não.  Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, que o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins secretos da criação.  Era isto Virgília, e era clara, muito clara, faceira, ignorante, pueril, cheia de uns ímpetos misteriosos; muita preguiça e alguma devoção, - devoção, ou talvez medo; creio que medo.  (ASSIS, Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. São Paulo, Scipione, 1994. p. 45)
Podemos notar todo o estilo irônico do autor, aqui com suas baterias voltadas contra as idealizações românticas que haviam moldado o gosto do público leitor. Repare que Machado parte de uma adjetivação que nos leva a montar um perfil da heroína romântica (a mais atrevida, a mais voluntariosa, bonita, fresca, carregada de feitiço, faceira) para só num segundo momento provocar a ruptura:  ignorante, pueril, preguiçosa.

Romance Naturalista 

Cultivado no Brasil por Aluísio Azevedo, Júlio Ribeiro, Adolfo Caminha, Domingos Olímpio, Inglês de Souza e Manuel de Oliveira Paiva; o caso de Raul Pompéia é muito particular, pois seu romance O Ateneu ora apresenta características naturalistas, ora realistas, ora impressionistas. 
A narrativa naturalista é marcada pela forte análise social a partir de grupos humanos marginalizados, valorizando o coletivo; interessa também notar que os títulos dos romances naturalistas apresentam a mesma preocupação: O mulato, O cortiço, Casa de pensão, O Ateneu.  Há inclusive, sobre o romance O cortiço, a tese de que o principal personagem não é João Romão, nem Bertoleza, nem Rita Baiana, nem Pombinha, mas sim o próprio cortiço ou, como afirma Antônio  Candido, “o romance é o nascimento, vida, paixão e morte de um cortiço”.  Sob um certo ponto de vista, o mesmo poderia ser dito sobre o colégio Ateneu (os dois romances se encerram com a destruição dos prédios, abrigos coletivos).
Por outro lado, o naturalismo apresenta romances experimentais; a influência de Darwin se faz sentir na máxima naturalista segundo a qual o homem é  um animal; portanto, antes de usar a razão, deixa-se levar pelos instintos naturais, não podendo ser reprimido em suas manifestações instintivas, como o sexo, pela moral da classe dominante.  A constante repressão leva às taras patológicas, tão ao gosto naturalista; em conseqüência, esses romances são mais ousados e erroneamente tachados por alguns de pornográficos, apresentando descrições minuciosas de atos sexuais, tocando, inclusive, em temas então proibidos, como o homossexualismo:  tanto o masculino, como em O Ateneu, quanto o feminino, em O cortiço.

Observe o texto abaixo:

Ana Rosa, com efeito, de algum tempo a essa  parte, fazia visitas ao quarto de Raimundo, durante a ausência do morador.
Entrava disfarçadamente, fechava as rótulas da janela, e, como sabia que o morador não aparecia àquela hora, começava a bulir nos livros, a remexer nas gavetas abertas, a experimentar as fechaduras, a ler os cartões de visita e todos os pedacinhos de papel escrito, que lhe caíam nas mãos.  Sempre que encontrava um lenço já servido, no chão ou atirado sobre a cômoda, apoderava-se dele e cheirava-o sofregamente, como fazia também com os chapéus de cabeça e com a  travesseirinha da cama.
Estas bisbilhotices deixavam-na caída numa enervação voluptuosa e doentia, que lhe punha no corpo arrepios de febre.  (AZEVEDO, Aluísio.  O mulato.  19. ed. São Paulo, Martins Fontes, 1974. p. 121)
Observamos  que a personagem Ana Rosa, criada segundo alguns “caprichos românticos e fantasias poéticas”, não resiste à força da atração física que Raimundo lhe desperta, chegando a invadir o quarto do rapaz.  O importante é notar como a moça é dominada pelos instintos; como se fosse um animal, “lê” o mundo por meio dos sentidos (ela “conhece” o rapaz pelo cheiro que ele imprimiu nos objetos); a excitação provoca reações físicas (enervação voluptuosa, febre), transformando-se num caso patológico, doentio.

Observação:

Como você observa, há vários pontos de coincidência entre o romance realista e o naturalista; diríamos até que ambos partem de um mesmo ponto x e ambos chegam a um mesmo ponto y, só que percorrendo caminhos diversos.  Tanto um como outro atacam a monarquia, o clero e a sociedade burguesa.  Inclusive, podemos encontrar, num mesmo autor, determinadas posturas mais realistas convivendo com enfoques mais naturalistas. É o caso de O Ateneu, citado acima.
Eça de Queirós, em Portugal, é outro exemplo significativo: alguns críticos o consideram realista, outros classificam-no como naturalista. 

Realismo e Naturalismo no Brasil

Contexto Histórico
O Realismo, no Brasil, nasceu em conseqüência da crise criada com a decadência econômica açucareira, o crescimento do prestígio dos estados do sul e o descontentamento da classe burguesa em ascensão na época, o que facilitou o acolhimento dos ideais abolicionistas e republicanos. O movimento Republicano fundou em 1870 o Partido Republicano, que lutou para trocar o trabalho escravo pela mão-de-obra imigrante.
Nesse período, as idéias de Comte, Spencer, Darwin e Haeckel conquistaram os intelectuais brasileiros que se entregaram ao espírito científico, sobrepujando a concepção espiritualista do Romantismo. Todos se voltam para explicar o universo através da Ciência, tendo como guias o positivismo, o darwinismo, o naturalismo e o cientificismo. O grande divulgador do movimento foi Tobias Barreto, ideólogo da Escola de Recife, admirador das idéias de Augusto Comte e Hipólito Taine.
O Realismo e o Naturalismo aqui se estabelecem com o aparecimento, em 1881, da obra realista Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, e da naturalista O Mulato, de Aluísio de Azevedo, influenciados pelo escritor português Eça de Queirós, com as obras O Crime do Padre Amaro (1875) e Primo Basílio (1878). O movimento se estende até o início do século XX, quando Graça Aranha publica Canaã, fazendo surgir uma nova estética: o Pré-Modernismo.


Características

A literatura realista e naturalista surge na França com Flaubert (1821-1880) e Zola (1840-1902). Flaubert (1821-1880) é o primeiro escritor a pleitear para a prosa a preocupação científica com o intuito de captar a realidade em toda sua crueldade. Para ele a arte é impessoal e a fantasia deve ser exercida através da observação psicológica, enquanto os fatos humanos e a vida comum são documentados, tendo como fim a objetividade. O romancista fotografa minuciosamente os aspectos fisiológicos, patológicos e anatômicos, filtrando pela sensibilidade o real.

Contudo, a escola Realista atinge seu ponto máximo com o Naturalismo, direcionado pelas idéias materialísticas. Zola, por volta de 1870, busca aprofundar o cientificismo, aplicando-lhe novos princípios, negando o envolvimento pessoal do escritor que deve, diante da natureza, colocar a observação e experiência acima de tudo. O afastamento do sobrenatural e do subjetivo cede lugar à observação objetiva e à razão, sempre, aplicada ao estudo da natureza, orientando toda busca de conhecimento.

Alfredo Bosi assim descreve o movimento: "O Realismo se tingirá de naturalismo no romance e no conto, sempre que fizer personagens e enredos submeterem-se ao destino cego das "leis naturais" que a ciência da época julgava ter codificado; ou se dirá parnasiano, na poesia, à medida que se esgotar no lavor do verso tecnicamente perfeito".

Vindo da Europa com tendências ao universal, o Realismo acaba aqui modificado por nossas tradições e, sobretudo, pela intensificação das contradições da sociedade, reforçadas pelos movimentos republicano e abolicionista, intensificadores do descompasso do sistema social. 

O conhecimento sobre o ser humano se amplia com o avanço da Ciência e os estudos passam a ser feitos sob a ótica da Psicologia e da Sociologia. A Teoria da Evolução das Espécies de Darwin oferece novas perspectivas com base científica, concorrendo para o nascimento de um tipo de literatura mais engajada, impetuosa, renovadora e preocupada com a linguagem.

Os temas, opostos àqueles do Romantismo, não mais engrandecem os valores sociais, mas os combatem ferozmente. A ambientação dos romances se dá, preferencialmente, em locais miseráveis, localizados com precisão; os casamentos felizes são substituídos pelo adultério; os costumes são descritos minuciosamente com reprodução da linguagem coloquial e regional.
O romance sob a tendência naturalista manifesta preocupação social e focaliza personagens vivendo em extrema pobreza, exibindo cenas chocantes. Sua função é de crítica social, denúncia da exploração do homem pelo homem e sua brutalização.

A hereditariedade é vista como rigoroso determinismo a que se submetem as personagens, subordinadas, também, ao meio que lhes molda a ação, ficando entregues à sensualidade, à sucessão dos fatos e às circunstâncias ambientais. Além de deter toda sua ação sob o senso do real, o escritor deve ser capaz de expressar tudo com clareza, demonstrando cientificamente como reagem os homens, quando vivem em sociedade.

Outro tratamento típico é a caracterização psicológica das personagens que têm seus retratos compostos através da exposição de seus pensamentos, hábitos e contradições, revelando a imprevisibilidade das ações e construção das personagens, retratadas no romance psicológico dos escritores Raul Pompéia e Machado de Assis.

A Principal característica do Realismo é a Psicologia. 
A Princpal característica do Naturalismo é a Cientifica.

Principais representantes do Realismo no Brasil

Machado de Assis


É considerado o maior escritor do século XIX, escreveu romances e contos, mas também aventurou-se pelo mundo da poesia, teatro, crônica e critica literária.
Nasceu no Rio de Janeiro em 1839 e morreu em 1908. Foi tipógrafo e revisor tornando-se colaborador da imprensa da época.
Sua infância foi muito pobre e a sua ascensão artística se deve a muito trabalho e dedicação. Sua esposa, Carolina Xavier, o incentivou muito na carreira literária, tanto que foi o primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras.

Como romancista escreveu: ”A mão e a luva”, “Ressurreição”, ”Helena” e “Iaiá Garcia”.
Embora sejam romances, essas obras também revelam algumas características que futuramente marcarão a fase realista e madura do autor, como a análise psicológica dos personagens, o humor, monólogos interiores e cortes na narrativa (uma das suas principais características).
“Memórias Póstumas da Brás Cubas” (considerado o divisor de águas na obra machadiana) “Quincas Borba”, “Dom Casmurro”, “Esaú e Jacó” e “Memorial de Aires”, revelam o interesse cada vez maior do autor de aprofundar a análise do comportamento do homem, revelando algumas características próprias do ser-humano como a inveja, a luxúria, o egoísmo e a vaidade, todas encobertas por uma aparência boa e honesta.

Como contista Machado escreveu: ”A Cartomante”,”O Alienista”,”O Enfermeiro”,”O Espelho” dentre outros.

Como cronista escreveu, entre 1892 e 1897, para a Gazeta de Notícias, sob o título “A Semana”.
Embora suas peças teatrais não tenham o mesmo nível que seus contos e romances, ele nos deixou “Quase ministro” e “Os deuses da casaca”.

Como crítico literário, além de vários prefácios e ensaios destacam-se 3 estudos: ”Instinto de nacionalidade”,”A nova geração” e “O primo Basílio” (a respeito do romance de mesmo nome de Eça de Queirós).

Outros Autores

  • Raul Pompéia: “O Ateneu”
  • Inglês de Souza: “O missionário”
  • Adolfo Caminha: “A normalista”, “Bom-Crioulo”


Principais representantes do naturalismo no Brasil

São atribuídos ao movimento naturalista os autores: Aluísio Azevedo, com O Cortiço,O Homem, O Mulato; Adolfo Caminha, com O Bom Crioulo; Raul Pompéia, com O Ateneu; Júlio Ribeiro, com A Carne



REALISMO EM PORTUGAL

Início: Questão Coimbrã - choque entre dois movimentos: escritores românticos em Lisboa e jovens estudantes da Universidade de Coimbra; crítica à obra de Antero de Quental por Antonio Feliciano de Castilho;
Conferências Democráticas do Cassino Lisbonenese: reuniões em que os jovens realistas discutiam questões da nova tendência, mostrando-se contrários aos ideais românticos que ainda perduravam em Portugal.

REPRESENTANTES DO REALISMO EM PORTUGAL


- EÇA DE QUEIRÓS

Foi o maior romancista português de todo o século XIX;
"O homem é um resultado, uma conclusão e um procedimento das circunstâncias que o envolvem. Abaixo os heróis" - influência determinista;
Postura de recusa ao Romantismo;
"O Realismo é uma reação contra o Romantismo: O Romantismo era a apoteose do sentimetno: - o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos - para condenar o que houver de mau na nossa sociedade"/
Retratou as grandes mazelas da sociedade portuguesa;

FASES DA OBRA DE EÇA DE QUEIRÓS: 1ª FASE - influência romântica; obra: O mistério da estrada de Sintra, escrito em parceria com Ramalho Ortigão; 2ª FASE - caráter realista/naturalista - obras: O Crime do Padre Amaro; O primo Basílio; Os Maias. Romance de tese - ideia inicial que seria desenvolvida a partir das ações das personagens. As três obras citadas compõem o que essa chamou de "Cenas Portuguesas"; 3ª FASE - pós-realista - obras: A ilustre casa de Ramires; A cidade e as serras; A relíquia - autor preocupado com valores tradicionais da vida portuguesa, da existência humana e da vida campestre;
A ênfase da obra de Eça de Queirós é a crítica à alta burguesia e ao clero português - objetivo: "pintar a sociedade portuguesa" e sua "podridão".

Antero de Quental

Nascido na Ilha de São Miguel, Açores, durante a sua vida, Antero de Quental dedicou-se à poesia, à filosofia e à política. Iniciou seus estudos na cidade natal, mudando para Coimbra aos 16 anos, ali estudando Direito e manifestando as primeiras ideias socialistas. Fundou em Coimbra a Sociedade do Raio, que pretendia renovar o país pela literatura.

Em 1861, publicou seus primeiros sonetos. Quatro anos depois, publicou as Odes Modernas, influenciadas pelo socialismo experimental de Proudhon, enaltecendo a revolução. Nesse mesmo ano iniciou a Questão Coimbrã, em que Antero e outros poetas foram atacados por Antônio Feliciano de Castilho, por instigarem a revolução intelectual. Como resposta, Antero publicou os opúsculos Bom Senso e Bom Gosto, carta ao Exmo. Sr. Antônio Feliciano de Castilho, e A Dignidade das Letras e as Literaturas Oficiais.

Ainda em 1866 foi viver em Lisboa, onde experimentou a vida de operário, trabalhando como tipógrafo, profissão que exerceu também em Paris, entre janeiro e fevereiro de 1867.

Em 1868 regressou a Lisboa, onde formou o Cenáculo, de que fizeram parte, entre outros, Eça de Queirós, Abílio de Guerra Junqueiro e Ramalho Ortigão.

Foi um dos fundadores do Partido Socialista Português. Em 1869, fundou o jornal A República, com Oliveira Martins, e em 1872, juntamente com José Fontana, passou a editar a revista O Pensamento Social.

Em 1873 herdou uma quantia considerável de dinheiro, o que lhe permitiu viver dos rendimentos dessa fortuna. Em 1874, com tuberculose, descansou por um ano, mas em 1875, fez a reedição das Odes Modernas.

Em 1879 mudou-se para o Porto, e em 1886 publicou aquela que é considerada pelos críticos como sua melhor obra poética, Sonetos Completos, com características autobiográficas e simbolistas.

Em 1880, adotou as duas filhas do seu amigo, Germano Meireles, que falecera em 1877. Em Setembro de 1881 foi, por razões de saúde, e a conselho do seu médico, viver em Vila do Conde, onde fixou residência até Maio de 1891, com pequenos intervalos nos Açores e em Lisboa. O período em Vila do Conde foi considerado pelo poeta o melhor período da sua vida: "Aqui as praias são amplas e belas, e por elas me passeio ou me estendo ao sol com a voluptuosidade que só conhecem os poetas e os lagartos adoradores da luz." 

Em 1886 foram publicados os Sonetos Completos, coligidos e prefaciados por Oliveira Martins. Entre Março e Outubro de 1887, permaneceu nos Açores, voltando depois a Vila do Conde. Devido à sua estadia em Vila do Conde, foi criada nesta cidade, em 1995, o "Centro de Estudos Anterianos"

Em 1890, devido à reacção nacional contra o ultimato inglês, de 11 de Janeiro, aceitou presidir à Liga Patriótica do Norte, mas a existência da Liga foi efémera. Quando regressou a Lisboa, em Maio de 1891, instalou-se em casa da irmã, Ana de Quental. Portador de Transtorno Bipolar, nesse momento o seu estado de depressão era permanente. Após um mês, em Junho de 1891, regressou a Ponta Delgada, suicidando-se no dia 11 de Setembro de 1891, com dois tiros na boca, disparados num banco de jardim.

Obras de Antero de Quental:

Sonetos de Antero, 1861 
Beatrice e Fiat Lux, 1863 
Odes Modernas, 1865 (na origem da polémica Questão Coimbrã). Reeditadas em 1875. 
Bom Senso e Bom Gosto, 1865 (opúsculos) 
A Dignidade das Letras e as Literaturas Oficiais, 1865 (na origem da polémica Questão Coimbrã) 
Defesa da Carta Encíclica de Sua Santidade Pio IX, 1865 
Portugal perante a Revolução de Espanha 1868 
Primaveras Românticas, 1872 
Considerações sobre a Filosofia da História Literária Portuguesa, 1872 
A Poesia na Actualidade, 1881 
Sonetos Completos, 1886 
A Filosofia da Natureza dos Naturistas, 1886 
Tendências Gerais da filosofia na Segunda Metade do Século XIX, 1890 
Raios de extinta luz, 1892 
Prosas 

O NATURALISMO EM PORTUGAL (1880-1910)

Em Portugal o Naturalismo é introduzido por Marques de Oliveira e Silva Porto, na década de 70 do século XIX, quando regressam de Paris, após uma estadia como Bolseiros do Estado. As bolsas de estudo na capital francesa eram prémios muito disputados, mas atribuídos apenas aos melhores estudantes das academias de Lisboa e Porto, com o objectivo de manter atualizada a arte nacional. O contato com os artistas de Barbizon, naturalistas, realistas e impressionistas, bem como a animada atmosfera artística parisiense, permitiu abrir novas perspectivas para desenvolver uma abordagem diferente da pintura portuguesa. Na verdade já existia o ensino da pintura de paisagem nas academias portuguesas, mas ensinada por pintores de formação romântica – sem a liberdade expressa na Escola de Barbizon. Pouco depois do regresso, ambos entram como professores nas duas academias nacionais, marcando o início de uma nova etapa na pintura de paisagem portuguesa. Também é de referir o impacto no meio artístico nacional das novidades introduzidas. A alteração ideológica foi aceita com verdadeiro entusiasmo, porque já se sentia a necessidade de modificar o pouco ativo panorama português, surgindo pouco depois o primeiro grupo naturalista.

O grupo do Leão

O Grupo do Leão é constituído por artistas que se reuniam na Cervejaria Leão de Ouro em Lisboa e responsável pelo enorme sucesso deste tipo de pintura. As oito exposições efectuadas foram marcantes e muito visitadas, tendo inclusive o rei D. Fernando II adquirido obras do grupo, o que era garantia de êxito. A ruptura com o panorama artístico vigente era evidente. Executavam-se pequenas telas com temas do quotidiano, dando particular atenção à vida nos campos, em cenas repletas de luz e com grande liberdade de representação. O grupo torna-se uma espécie de “vanguarda”, considerando-se moderno, como ficou bem claro no nome Exposições de Quadros Modernos numa das primeiras mostras realizadas. Curiosamente na época viam-se como realistas, mas o Portugal pacato, de brandos costumes, sem a industrialização francesa só poderia estar na origem de obras naturalista. Em 1885 os membros do grupo propuseram-se decorar a cervejaria, por entrar em obras, com o apoio do proprietário, executando pinturas naturalistas propositadamente para o local, contribuindo para a popularização do novo estilo e do estabelecimento. A atividade do grupo mantém-se regular até 1888, ano da realização da última exposição.

REPRESENTANTES DO NATURALISMO EM PORTUGAL

São representantes do Naturalismo português: Silva Porto, Marques de Oliveira, José Malhoa, João Vaz, Sousa Pinto e Columbano (este com uma obra de características muito pessoais e especificas). São temas predominantes as paisagens rurais e marinhas, cenas bucólicas, cenas de costumes rurais (especialmente Malhoa), ambientes  urbanos e, principalmente em Columbano, cenas da vida urbana burguesa e o retrato.


Questões de vestibulares sobre o Realismo/Naturalismo

1) Considere as seguintes afirmações sobre Machado de Assis:
I. A crítica aponta-o como um escritor naturalista.
II. No início de sua carreira literária, sofreu influência do Romantismo.
III. Sua produção de romances revela uma grande preocupação com os problemas regionais brasileiros. Está correto o que se diz:

a) em I, II e III.
b) apenas em II.
c) apenas em I e II.
d) apenas em II e III
e) apenas em I e III.

2) Sobre o Realismo é INCORRETO afirmar que:
a) propõe uma análise objetiva da realidade, tentando retratá-la como uma fotografia.
b) se opõe ao Romantismo, pois o idealismo deste não permite olhar a vida com olhos de um observador impiedoso.
c) Flaubert, na França, e Machado de Assis, no Brasil, são dois grandes nomes do Realismo.
d) O Ateneu, uma das importantes obras do Realismo brasileiro, possui um tom introspectivo, pois nela Raul Pompéia desenvolve uma análise psicológica dos personagens.
e) Dom Casmurro, de Machado de Assis, marca o início do Realismo no Brasil.

3) Motivados pelas teorias científicas e filosóficas da época, os escritores realistas desejavam retratar o homem e a sociedade em sua totalidade. Não bastava mostrar a face sonhadora e idealizada da vida como fizeram os românticos. Era preciso mostrar o cotidiano massacrante, o amor adúltero, a falsidade e o egoísmo humano, a impotência do homem comum diante dos poderosos. (CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Analia Cochar. Literatura brasileira. São Paulo: Atual, 2000. p. 244 – Texto adaptado.).

A respeito da literatura realista, assinale a alternativa correta.
a) Apresenta descrições e adjetivações subjetivas, no intuito de representar a realidade como ela é.
b) A mulher é idealizada, sendo representada como um anjo de pureza e perfeição.
c) Utiliza uma linguagem culta e direta, semelhante ao estilo metafórico do Romantismo.
d) O herói é problemático, revelando-se portador de fraquezas e incertezas.
e) O casamento é apresentado como uma instituição falida, em que prevalecem os sentimentos.

4) (Cesgranrio) Sobre o Realismo, assinale a afirmativa correta:

a) O romance é visto como distração e não como meio de crítica às instituições sociais decadentes.
b) Os escritores realistas procuram ser pessoais e objetivos.
c) O romance sertanejo ou regionalista originou-se no Realismo.
d) O Realismo constitui uma oposição ao idealismo romântico.
e) O Realismo vê o Homem somente como um produto biológico.

5) Relacionar autora e obra, colocando entre os parênteses o número correspondente à autora:

I. Rachel de Queiroz
II. Clarice Lispector
III. Lygia Fagundes Telles
IV. Cecília Meireles
V. Adélia Prado

( ) 1. "As meninas"
( ) 2. "Romanceiro da Inconfidência"
( ) 3. "Laços de família"
( ) 4. "Os componentes da banda"
( ) 5. "As três Marias"

Verificamos que a seqüência correta é:
a) I.2 - II.4 - III.3 - IV-1 - V.5
b) I.4 - II.1 - III.5 - IV.3 - V.2
c) I.5 - II-3 - III.1 - IV.2 - V.4
d) I.3 - II.2 - III.4 - IV.5 - V.1
e) I.1 - II.5 - III.2 - IV.4 - V.3

6) O trecho a seguir pertence ao romance que foi um dos marcos do Realismo no Brasil, publicado em 1881.

"Em um destes passeios, parou defronte do espelho e mirou-se com muita atenção, procurando descobrir no seu rosto descorado alguma coisa, algum sinal, que denunciasse a raça negra. Observou-se bem, afastando o cabelo das fontes; esticando as pele das faces, examinando as ventas e revistando os dentes; acabou por atirar com o espelho sobre a cômoda, possuído de um tédio imenso e sem fundo."

Assinale a alternativa correta quanto ao autor, obra e característica da estética literária:
a) José de Alencar; O GUARANI; visão idealizada do ser humano.
b) Aluísio Azevedo; O CORTIÇO; reflexão cedendo lugar à ação.
c) Machado de Assis; MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS; preocupação com a análise psicológica das personagens.
d) Machado de Assis; DOM CASMURRO; preocupação em denunciar os problemas sócio-econômicos da sociedade de seu tempo.
e) Aluísio Azevedo; O MULATO; apresentação do comportamento humano como produto do meio, da raça e da hereditariedade.

7) O realismo foi um movimento de:

a) volta ao passado;
b) exacerbação ultra-romântica;
c) maior preocupação com a objetividade;
d) irracionalismo;
e) moralismo.

8) A respeito de Realismo, pode-se afirmar:

I   – Busca o perene humano no drama da existência .
II  – Defende a documentação de fatos e a impessoalidade do autor perante a obra.
III – Estética literária restritamente brasileira; seu criador é Machado de Assis.

a) São corretas apenas II e III.
b) Apenas III é correta.
c) As três afirmações são corretas.
d) São corretas I e II.
e) As três informações são incorretas.

9) Considerando-se iniciado o movimento realista no Brasil quando:

a) Aluísio de Azevedo publica O Homem.
b) José de Alencar publica Lucíola.
c) Machado de Assis publica Memória Póstumas de Brás Cubas.
d) As alternativas a e c são válidas.
e) As alternativas a e b são válidas.

10)  O realismo, como escola literária, é caracterizado:
a) pelo exagero da imaginação;
b) pelo culto da forma;
c) pela preocupação com o fundo;
d) pelo subjetivismo;
e) pelo objetivismo.

11) Das características abaixo, assinale a que não pertence ao Realismo:

a) Preocupação critica.
b) Visão materialista da realidade.
c) Ênfase nos problemas morais e sociais.
d) Valorização da Igreja.
e) Determinismo na atuação das personagens.

12) Encontram-se a seguir alguns fragmentos extraídos da obra de Aluísio Azevedo, intitulada “O Cortiço”. Após lê-los e interpretá-los, procure evidenciar algumas das características que demarcaram a era a que pertenceu o autor em questão, de preferência por meio de exemplos:



“Estalagem de São Romão. Alugam-se casinhas e tinas de lavadeiras”.
As casinhas eram alugadas por mês e as tinas por dia; tudo era pago adiantado. O preço de cada tina, metendo a água, quinhentos réis; sabão à parte. As moradoras do cortiço tinham preferência e não pagavam nada para lavar. (...)

(...) E naquela terra encharcada e fumegante, naquela umidade quente e lodosa, começou a minhocar, a esfervilhar, a crescer, um mundo, uma coisa viva, uma geração que parecia brotar espontânea, ali mesmo, daquele lameiro, e multiplicar-se com larvas no esterco. (...)



13) Assinale a proposição incorreta.

a) O Concretismo fez do espaço um elemento expressivo.

b) No Modernismo havia ingrediente nacionalista.
c) No Realismo não há preocupação com o social.
d) O Romantismo se caracteriza pelo desejo de libertação.
e) o Barroco tem exagerada preocupação formal.

14) Sobre o Realismo, assinale a afirmativa correta.


a) O romance é visto como distração e não como meio de crítica às instituições sociais decadentes.
b) Os escritores realistas procuram ser pessoais e objetivos.
c) O romance sertanejo ou regionalista originou-se no Realismo.
d) O Realismo constitui uma oposição ao idealismo romântico.
e) O Realismo vê o Homem somente como um produto biológico.

15) (UFPR) O Realismo é uma reação contra o Romantismo: o Romantismo era a apoteose do sentimento; - o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos - para condenar o que houve de mau na nossa sociedade.

(Eça de Queirós, apud NICOLA, José de. LITERATURA BRASILEIRA: DAS ORIGENS AOS NOSSOS DIAS. 2 ed. São Paulo-. Scipione, 1990. p. 115.)

O Realismo pode ser exemplificado por:


(01) "... ela era o calor vermelho das sestas da fazenda; [...] era o veneno e era o açúcar gostoso; era o sapoti mais doce que o mel e era a castanha do caju, que abre feridas com o seu azeite de fogo; ela era a cobra verde e traiçoeira, a lagarta viscosa, a muriçoca doida, que esvoaçava havia muito tempo em torno do corpo dele, assanhando-lhe os desejos..."


(02) "... o olhar fulgurante, sob a crispação áspera dos supercílios de monstro japonês, penetrando de luz as almas circunstantes - era a educação da inteligência; o queixo, severamente escanhoado, de orelha a orelha, lembrava a lisura das consciências limpas - era a educação moral."


(04) "A flauta soltou o cintilante prelúdio de uma valsa de Strauss.

Os valsistas afamados deixaram-se ficar de parte, sem dúvida para se fazerem desejar. Os caloiros e a gente de encher hesitavam em tomar a dianteira..."

(08) "Eu sabia que era bela; mas a minha imaginação apenas tinha esboçado o que Deus criara.

Ela olhava-me e sorria.
Era um ligeiro sorriso, uma flor que desfolhava-se nos seus lábios, um reflexo que iluminava o seu lindo rosto.
Seus grandes olhos negros fitavam em mim um desses olhares lânguidos e aveludados que afagam os seios d'alma."

(16) "Ali está ela na solidão de seus campos, talvez menos alegre, porém, certamente, mais livre; sua alma é todos os dias tocada dos mesmos objetos: ao romper d'alva, é sempre e só a aurora que bruxoleia no horizonte; durante o dia, são sempre os mesmos prados, os mesmos bosques e árvores; de tarde, sempre o mesmo gado que se vem recolhendo ao curral; à noite, sempre a mesma lua que prateia seus raios à lisa superfície do lago!"


(32) "A praça da Alegria apresentava um ar fúnebre. De um casebre miserável, de porta e janela, ouviam-se gemer os armadores enferrujados de uma rede e uma voz tísica e aflautada, de mulher, cantar em falsete a 'gentil Carolina era bela'; doutro lado da praça, uma preta velha, vergada por imenso tabuleiro de madeira, sujo, seboso, cheio de sangue e coberto por uma nuvem de moscas, apregoava em tom muito arrastado e melancólico: 'Fígado, rins e coração!' Era uma vendedeira de fatos de boi."


16) Assim como a obra D. Casmurro, são também obras pertencentes ao Realismo.


a) Grande Sertão: Veredas e Os Sertões

b) Luzia-Homem e Iracema
c) Aves de Arribação e Iaiá Garcia
d) O Mulato e Memórias Póstumas de Brás Cubas

17) Leia as seguintes afirmativas a respeito de Machado de Assis:

I. Sua produção ficcional costuma fixar quadros regionais, repletos de descrições sobre a natureza e de personagens típicos.
II. Alguns de seus romances apresentam protagonistas narrando, em primeira pessoa, lembranças do passado.
III. Nos contos, os universos narrados apresentam seres estranhos em um ambiente sobrenatural, caracterizando o realismo mágico dessas narrativas.

Está(ão) correta(s)
a) apenas I.
b) apenas II.
c) apenas III.
d) apenas II e III.
e) I, II e III.

18) Das citações apresentadas abaixo, qual não apresenta, evidentemente, um enfoque naturalista?

a) Às esquinas, nas quitandas vazias, fermentava um cheiro acre de sabão da terra e aguardente.
b) ... as peixeiras, quase todas negras, muito gordas, o tabuleiro na cabeça, rebolando os grossos quadris trêmulos e as tetas opulentas.
c) Os cães, estendidos pelas calçadas, tinham uivos que pareciam gemidos humanos.
d) ... batiam-lhe com a biqueira do chapéu nos ombros e nas coxas, experimentando-lhes o vigor da 
musculatura, como se estivesse a comprar cavalos.
e) À porta dos leilões aglomeravam-se os que queriam comprar e os simples curiosos.

19) O mesmo da questão anterior:

a) Viam-se deslizar pela praça os imponentes e monstruosos abdomes dos capitalistas.
b) ... viam-se cabeças  escarlates e descabeladas, gotejando suor por debaixo do chapéu de pêlo.
c) O quitandeiro, assentado sobre o balcão, cochilava a sua preguiça morrinhenta, acariciando o seu imenso e espalmado pé descalço.
d) A Praia Grande, a Rua da Estrela contrastavam todavia com o resto da cidade, porque era aquela hora justamente a de maior movimento comercial.
e) ... uma preta velha, vergada por imenso tabuleiro de madeira, sujo, seboso, chio de sangue e coberto por uma nuvem de moscas...

20) (UniFEI) Leia atentamente:


I. "A segunda Revolução Industrial, o cientificismo, o progresso tecnológico, o socialismo utópico, a filosofia positivista de Augusto Comte, o evolucionismo formam o contexto sócio-político-econômico-filosófico-científico em que se desenvolveu a estética realista".

II. "O escritor realista acerca-se dos objetos e das pessoas de um modo pessoal, apoiando-se na intuição e nos sentimentos".

III. "Os maiores representantes da estética realista-naturalista no Brasil foram: Machado de Assis, Aluísio de Azevedo e Raul Pompéia".

IV. "Podemos citar como características da estética realista: o individualismo, a linguagem erudita e a visão fantasiosa da sociedade".

Verificamos que em relação ao Realismo-Naturalismo está(estão) correta(s):

a) Apenas a I e II.
b) Apenas a I e III.
c) Apenas a II e IV.
d) Apenas a II e III.
e) Apenas a III e IV.

21) (UEL) Por força das teses deterministas que abraça em sua ficção, Aluísio Azevedo:

a) Subordina as marcas subjetivas de suas personagens às influências diretas do meio e da raça a que pertencem.
b) Revela-se um autor otimista quanto à possibilidade de os miseráveis reverterem historicamente sua situação.
c) Acredita que a cultura popular, por ser mais espontânea e criativa, superará os modelos da cultura letrada.
d) Faz com que as personagens triunfantes sejam aquelas cujas virtudes morais se imponham sobre o poder econômico.
e) É um autor pessimista, pois está convicto de que os bons instintos naturais são abafados na vida aristocrática.

22) (PUC-PR) Uma das características do Naturalismo é o determinismo. Assinale a alternativa que contém o exemplo correto para essa característica.


a) Determinismo é apresentar a vida como ela é.
b) Determinismo é a tendência de imitar a realidade.
c) O destino das personagens está subordinado às condições de raça, meio e momento histórico.
d) O narrador determina qual é o conflito que viverão as personagens.
e) A paisagem e as personagens obedecem a uma ordem científica.

23) (UNIFAP) A respeito do período realista-naturalista, pode-se dizer que:

a) A noite e a solidão são elementos que norteiam a evasão da alma, ou seja, propiciam o distanciamento do mundo real.
b) As idéias de cunho materialista estão ligadas intimamente a esse período literário, contribuindo para o homem voltar-se para o não-eu.
c) A realidade exterior é sugerida vagamente, através de uma linguagem simbólica com termos predominantemente abstratos.
d) A produção literária desse movimento literário se alimenta do bucolismo greco-latino; do cromatismo vocabular e do conflito.
e) A temática explorada durante esse estilo de época é marcada pela intensa valorização das classes burguesa e clerical.

24) Assinale a alternativa em que se completa erradamente a seguinte proposição: Do romance O CORTIÇO pode-se dizer que:

a) é um romance urbano.
b) o Autor admite a influência do meio no comportamento do indivíduo.
c) alcança a época da escravidão.
d) Romão é tudo, menos um ingrato.
e) o protagonista não se contenta com a ascensão econômica, quer a social também.

25) Assinale a proposição incorreta.

a) O Concretismo fez do espaço um elemento expressivo.
b) No Modernismo havia ingrediente nacionalista.
c) No Realismo não há preocupação com o social.
d) O Romantismo se caracteriza pelo desejo de libertação.
e) o Barroco tem exagerada preocupação formal.

26) Em 1881 foram publicados dois romances importantes no Brasil, com os quais se inicia um novo movimento literário na prosa brasileira.

a) Quais são esses romances?
b) Com que movimento literário eles rompem?

27) No ano de 1865, em Portugal, se inicia uma grande polêmica. De um lado, Antônio Feliciano de Castilho (1800-1875); de outro, Antero Tarqüínio de Quental (1842-1891). Em posfácio ao livro POEMA DA MOCIDADE de Pinheiro Chagas, Castilho referiu-se com pouco caso e algum deboche aos jovens poetas que, em Coimbra, defendiam idéias novas. Antero, um dos mencionados por Castilho, faz logo publicar uma carta em resposta ao velho mestre, na qual retribui as ironias, ao mesmo tempo em que faz ataque cerrado e contundente a Castilho. Em pouco tempo cada um ganha adeptos e com isso se produz uma das mais ricas polêmicas da História da literatura Portuguesa. Tal episódio ficou conhecido como a Questão Coimbrã ou também pelo título recebido pela publicação de Antero: Bom Senso e Bom Gosto. Com base nestas informações e considerando-se o texto dado, responda:

a) o que representavam Antônio Feliciano de Castilho e Antero de Quental nessa polêmica?
b) o que marca a Questão Coimbrã na História da Literatura Portuguesa?

28) O romance "Memórias póstumas de Brás Cubas" publicou-se num momento significativo da Literatura Brasileira, tanto para a carreira de Machado de Assis, como para o desenvolvimento da prosa no Brasil. Tornou-se um divisor entre:

a) a prosa romântica e a realista-naturalista;
b) o romantismo e o cientificismo literário;
c) os remanescentes clássicos e a necessidade de modernização;
d) o espírito conservador e o espírito revolucionário;
e) a prosa finissecular e a imposição renovadora da época.

29) Personagem do romance "O Primo Basílio", de Eça de Queirós, tornou-se tão conhecida por suas intervenções, que seu nome deu origem à palavras dele derivadas como: acaciano, acacianismo, acacianamente. Assinalar a alternativa que explica o significado atribuído a estas palavras em função do Conselheiro Acácio:

a) inesperadas declarações ou informações que dão novo rumo à conversa;
b) afirmações irrefutáveis ou solidamente argumentadas;
c) ironias profundas ou sutis ridicularizações imprevisíveis;
d) trivialidades com feição sentenciosa ou gravemente ridículas;
e) argumentação cerrada ou raciocínios cerebrinamente elaborados.

30) Sobre Machado de Assis, pode-se dizer:

I. Sua produção literária compõe-se de poesia, romance, conto, teatro, crítica e crônica.
II. Um dos seus temas preferidos é o contraste entre os motivos verdadeiros e aparentes do comportamento humano.
III. É mais conhecido como cronista do que como romancista.

a) apenas II é correto.
b) são corretos II e III.
c) são corretos I e II.
d) são corretos I e III.
e) todos são corretos.

31) "Saímos à varanda, dali à chácara, e foi então que notei uma circunstância. Eugênia coxeava um pouco, tão pouco, que eu cheguei a perguntar-lhe se machucara o pé. A mãe calou-se; a filha respondeu sem titubear:
- Não, Senhor, sou coxa de nascença."

Trecho fundamental do romance, não só dá título a um capítulo, como serve para definir, com bastante nitidez, o caráter da personagem central. De que obra se trata?

a) Amor e Perdição.
b) Fogo Morto.
c) São Bernardo.
d) Memórias Póstumas de Brás Cubas.
e) O Primo Basílio.

32) Em DOM CASMURRO, o narrador machadiano:

a) registra, de forma comovente, as memórias de sua adolescência, na qual veio a conhecer e a perder o grande amor de sua vida.
b) rememora, de forma lírica, uma paixão antiga, que lhe valeu a ruptura definitiva com sua família conservadora.
c) rememora, com ressentimento, as origens, o desenvolvimento e o fim de uma paixão, destruída pelo ciúme.
d) recupera, em tom trágico, a história de seu grande amigo, traído pela mulher fútil e aventurosa.
e) registra, com ironia, a impiedade de seus injustificáveis ciúmes pela mulher cuja inocência tardiamente reconhece.

33) Sobre o Realismo, assinale a afirmativa correta.

a) O romance é visto como distração e não como meio de crítica às instituições sociais decadentes.
b) Os escritores realistas procuram ser pessoais e objetivos.
c) O romance sertanejo ou regionalista originou-se no Realismo.
d) O Realismo constitui uma oposição ao idealismo romântico.
e) O Realismo vê o Homem somente como um produto biológico.

34) Sobre Machado de Assis, é INCORRETO afirmar que:

a) antes de "Memórias Póstumas de Brás Cubas", publicou romances que ainda apresentavam algumas características românticas.
b) seu teatro, embora menos conhecido, atinge o mesmo nível de grandiosidade alcançado por Martins Pena.
c) sua poesia madura encontra-se em "Ocidentais", em que se revelam características parnasianas.
d) é nos romances de sua segunda fase que se encontram seus traços mais marcantes, como o aprofundamento psicológico dos personagens, o pessimismo e o ceticismo.
e) "Páginas Recolhidas" é uma coletânea de crônicas, motivadas por matérias jornalísticas e desenvolvidas com o apoio de alusões literárias.


35) É correto afirmar sobre Machado de Assis:

I. Foi sobretudo pela imaginação de suas narrativas, mais do que pelo estilo ou senso de realismo, que se notabilizou como nosso maior ficcionista do século XIX.
II. Seus primeiros romances consagraram-no como um grande prosador realista, mas a partir de MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS sua obra tomou o rumo inesperado da ficção fantástica.
III. Seus contos, sobretudo a partir de PAPÉIS AVULSOS, são obras-primas de análise psicológica, alegorizacão social e interpretação das fraquezas humanas.

Assinale a alternativa correta.

a) Apenas a afirmação II é verdadeira.
b) Apenas a afirmação III é verdadeira.
c) Apenas as afirmações I e II são verdadeiras.
d) Apenas as afirmações II e III são verdadeiras.
e) As afirmações I, II e III são verdadeiras.

36) Por suas características, não se encaixa na prosa machadiana o trecho que aparece na alternativa:

a) "Este último capítulo é todo de negativas. Não alcancei a celebridade do emplastro, não fui ministro, não fui califa, não conheci o casamento."
b) "A leitora, que é minha amiga e abriu este livro com o fim de descansar da cavatina de ontem para a valsa de hoje, quer fechá-lo às pressas, ao ver que beiramos um abismo. Não faça isso, querida; eu mudo de rumo."
c) "... Não sei se lhe meti algumas rabugens de pessimismo. Pode ser. Obra de finado. Escrevia-a com a pena da galhofa e a tinta da melancolia, e não é difícil antever o que poderá sair desse conúbio."
d) "Não sou criança, nem idiota; vivo só e vejo de longe; mas vejo. Não pode imaginar. Os gênios fazem aqui dois sexos como se fosse uma escola mista. Os rapazes tímidos, ingênuos, sem sangue, são brandamente impelidos para o sexo da fraqueza; são dominados, festejados, pervertidos como meninas ao desamparo."
e) "O pior é que era coxa. Uns olhos tão lúcidos, uma boca tão fresca, uma compostura tão senhoril; e coxa! Esse contraste faria suspeitar que a natureza é às vezes um imenso escárnio. Por que bonita, se coxa? por que coxa, se bonita?"

37) Vários autores afirmam que a diferença entre Realismo e Naturalismo é muito sutil.
Um dos trechos a seguir é claramente naturalista. Assinale a alternativa em que ele aparece.

a) "Desesperado, deixou o cravo, pegou do papel escrito e rasgou-o. Nesse momento, a moça, embebida no olhar do marido, começou a cantarolar à toa, inconscientemente, uma cousa nunca antes cantada nem sabida..."
b) "Enfim chegou a hora da encomendação e da partida. Sancha quis despedir-se do marido, e o desespero daquele lance consternou a todos."
c) "Entretanto, das portas surgiam cabeças congestionadas de sono; ouviam-se amplos bocejos, fortes como o marulhar das ondas; pigarreava-se grosso por toda a parte; começavam as xícaras a tilintar; o cheiro do café aquecia, suplantando todos os outros..."
d) "Foi por esse tempo que eu me reconciliei outra vez com o Cotrim, sem chegar a saber a causa do dissentimento. Reconciliação oportuna, porque a solidão pesava-me, e a vida era para mim a pior das fadigas, que é a fadiga sem trabalho."
e) "E enquanto uma chora, outra ri; é a lei do mundo, meu rico senhor; é a perfeição universal. Tudo chorando seria monótono, tudo rindo, cansativo; mas uma boa distribuição de lágrimas e polcas, soluços e sarabandas, acaba por trazer à alma do mundo a variedade necessária, e faz-se o equilíbrio da vida."

38) Machado de Assis ficou célebre pelo romance:

a) paisagista
b) de fuga - evasão
c) psicológico
d) histórico
e) medieval

39) Eça de Queirós, só não escreveu:

a) O Primo Basílio
b) O Crime do Padre Amaro
c) A Ilustre Casa de Ramires
d) A Cidade e as Serras
e) Euríco, o Presbítero

40) O ATENEU traz por subtítulo a expressão "Crônica de Saudades" e foi publicado pela primeira vez no Rio de Janeiro na mesma década em que:

a) Gonçalves de Magalhães inaugura o romantismo com o livro "Suspiros Poéticos e Saudades"
b) Machado de Assis publicou "Memórias Póstumas de Brás Cubas"
c) Euclides da Cunha publica "Os Sertões"
d) se realiza a Semana da Arte Moderna em São Paulo
e) Guimarães Rosa publica "Grande Sertão: Veredas"

41) "O primo Basílio" pertence à fase dita REALISTA de seu autor, Eça de Queirós. É reconhecido, também, como um ROMANCE DE TESE - tipo de narrativa em que se demonstra uma idéia, em geral com intenção crítica e reformadora. Tendo em vista essas determinações gerais, é correto afirmar que, nesse romance,

a) o foco expressivo se concentra na anterioridade subjetiva das personagens, que se dão a conhecer por suas idéias e sentimentos, e não por suas falas ou ações.
b) as personagens se afastam de caracterizações típicas, tornando-se psicologicamente mais complexas e individualizadas.
c) a preferência é dada à narração direta, evitando-se recursos como a ironia, o suspense, o refinamento estilístico de períodos e frases.
d) o interesse pelas relações entre o homem e o meio amplia o espaço e as funções das descrições, tornadas mais minuciosas e significativas.
e) a narração de ações, a criação de enredos e as reflexões do narrador são amplamente substituídas pelo debate ideológico-moral entre Jorge e o Conselheiro Acácio.

42) Considere as afirmações a seguir:

I - Com uma preocupação formal que o aproxima dos parnasianos, o poeta simbolista adota temas como a morte e o distanciamento, fugindo do objetivismo realista.
II - O Naturalismo diferencia-se do Realismo por não apresentar uma preocupação científica e considerar que o homem é dominado pelo ambiente.
III - A natureza constitui-se em fonte temática tanto para os românticos como para os árcades. Os primeiros a vêem como refúgio acolhedor para o homem e os outros a idealizam ao extremo em paisagens pastoris.

É(São) verdadeiras(s) a(s) afirmação(ões):

a) I e III somente.
b) I e II somente.
c) III somente.
d) II somente.
e) I somente.

43) Indique o trecho em que há visíveis marcas do estilo naturalista.

a) O vulto da mulher, quase invisível à frouxa luz do luar, pareceu-lhe uma fantasmagoria, e seu coração bateu mais forte, ao compasso das ondas, da música do mar que chegava pelo vento...
b) (...) tem tão bom céu e goza de tão bons ares toda a terra do Brasil, que nenhuma das causas que costumam fazer dano por outras regiões o fazem nela, nem cobram forças para o poderem fazer.
c) Quanta graça devemos à Fé que nos destes, porque ela só nos cativa o entendimento, para que, à vista destas desigualdades, reconheçamos contudo vossa justiça e previdência!
d) Tremiam-lhe as carnes como ao contato de um condutor elétrico, a distender-lhe os nervos escabujando na rede em espreguiçamentos lúbricos, vergando, como um vencido, ao poder irresistível da animalidade humana.
e) Na repartição, os pequenos empregados, amanuenses e escreventes, tendo notícia desse seu estudo do idioma tupiniquim, deram não se sabe por que em chamá-lo - Ubirajara.

44) ndique a afirmação INCORRETA sobre Machado de Assis.

a) MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS, romance, e PAPÉIS AVULSOS, contos, representam o ingresso do autor em sua "segunda fase", certamente mais importante que a primeira.
b) Nos anos 80 do século passado, adotou francamente os princípios filosóficos e estéticos do Naturalismo, abandonando o idealismo romântico das primeiras obras.
c) No extraordinário romance em que adotou o ponto de vista de um "defunto autor", o enredo é freqüentemente interrompido por referências ao processo de composição do livro.
d) Tal como ocorreu com outros autores da época, parte de sua obra, antes de ser recolhida em livro, foi publicada em jornais; no caso dos romances, em capítulos, ou "folhetins".
e) Sua ficção madura não se põe a serviço de causas históricas ou de teses científicas; revela, com precisão e ironia, o que está por trás das situações e do comportamento humano.

45) A respeito da obra de Machado de Assis, assinale verdadeira (V) ou falsa (F) em cada afirmação a seguir.

( ) A MÃO E A LUVA e IAIÁ GARCIA, enquadradas na 1 fase de sua produção romanesca, abordam questões relativas à mudança de classe social.
( ) Em contos, como "Missa do galo", a ambientação e os diálogos sugerem uma atmosfera de envolvimento e sensualidade.
( ) Pode-se dizer que MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS, a partir de posições expressas pelo narrador, apresenta otimismo constante diante da vida.

A seqüência correta é
a) V - F - V.
b) F - V - F.
c) F - F - V.
d) V - F - F.
e) V - V - F.


Gabarito:

1) C   2) C   3) E    
4) Ao estabelecermos familiaridade com os estilos de época, também conhecidos como escolas literárias, constatamos que todas as produções artísticas que a eles se integram resultam das concepções ideológicas como fruto do contexto histórico, social e político que permeou uma determinada época da história da humanidade. Nesse sentido, equivale dizer que, em se tratando do Realismo, a alternativa “D” traz em suas considerações todos os pressupostos inerentes ao estilo em questão. Equivale dizer, também, que pelo fato de “explorar” o lado social, objetivo, como também de ver a vida como ela realmente se apresenta, ou seja, sem máscaras, a afirmação expressa pela afirmativa se torna ainda mais sustentada, ainda mais plausível
5) C     6) E    7) C    8) D   9) C   10) E   11) D
12) Ao lermos tal fragmento, parece que todo esse cenário se desenha em torno de nossa mente, assim mesmo, assim como uma espécie de fotografia, haja vista que as imagens parecem saltar-nos dos olhos à medida que as cenas vão sendo descritas. Tal aspecto, quando remetido às características da época realista, ao contrário do período romântico, evidencia-se pelo fato de que o ambiente urbano, o espaço social propriamente dito, sediam as ações que transcorrem em todos os romances realistas. Os personagens, por sua vez, parecem assumir papéis definidos frente à realidade que os cercam e, como não poderia deixar de ser, se se tratava de um cortiço, era normal que as lavadeiras assim se posicionassem, nitidamente constatado por meio da passagem: As casinhas eram alugadas por mês e as tinas por dia; tudo era pago adiantado. O preço de cada tina, metendo a água, quinhentos réis; sabão à parte. As moradoras do cortiço tinham preferência e não pagavam nada para lavar (...)”.
Outro aspecto, que também se faz presente no discurso de Aluísio Azevedo, bem ao gosto determinista, diz respeito ao fato de que os personagens, sobrevivendo em meio àquele aglomerado de pessoas, imprimem à situação os reais pressupostos determinados por Taine, ao afirmar que o ser humano é produto da raça, do contexto histórico e do momento. Fatos esses identificados por meio do último fragmento “E naquela terra encharcada e fumegante, naquela umidade quente e lodosa, começou a minhocar, a esfervilhar, a crescer, um mundo, uma coisa viva, uma geração que parecia brotar espontânea, ali mesmo, daquele lameiro, e multiplicar-se com larvas no esterco”.
13) C   14) D   15) (01 + 02 + 32 = 35)   16) D    17) B    18) E   19) D    20) B    21) A   22) C
23) B    24) D   25) C
26) a) "Memórias póstumas de Brás Cubas", de Machado de Assis, e "O mulato", de Aluísio Azevedo.
b) Romantismo.
27) a) Castilho representa a estética romântica e Quental, a realista.
b) Marca o início do Realismo em Portugal
28) A    29) D    30) C   31) D    32) C    33) D    34) B    35) B     36) D    37) C    38) C   39) E
40) B   41) D   42) A    43) D    44) B    45) E


Hospedagem de sites com planos gigantes a partir de R$14,90, 10GB de espaço, 150Gb de tráfego de
DATAHOSTING.COM.BR|DE WWW.DATAHOSTING.COM.BR

2 comentários:

  1. O gabarito de varias questoes tao errado

    ResponderExcluir
  2. todas questões erradas quase se for assim não coloca gabarito que da na mesma!

    ResponderExcluir