quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

questões de português de provas da UFPR


Artigo com questões de português de provas anteriores da UFPR.

Texto para as questões 1 a 3

Texto 1:
     Apenas poucos séculos atrás, a mera ideia de resistir à agricultura, ao invés de estimulá-la, pareceria ininteligível. Como teria progredido a civilização sem a limpeza das florestas, o cultivo do solo e a conversão da paisagem agreste em terra colonizada pelo homem? Os reis e grandes proprietários podiam reservar florestas e parques para caça e extração de madeira, mas na Inglaterra Tudor a preservação artificial dos cumes incultos teria parecido tão absurda como a criação de santuários para pássaros e animais que não podiam ser comidos ou caçados. A tarefa do homem, nas palavras do Gênesis (I, 28), era “encher a terra e submetê-la”, derrubar matas, lavrar o solo, eliminar predadores, matar insetos nocivos, arrancar fetos, drenar pântanos.
       A agricultura estava para a terra assim como o cozimento para a carne crua. Convertia a natureza em cultura. Terra não cultivada significava homens incultos. E quando os ingleses seiscentistas mudaram-se para Massachusetts, parte de sua argumentação em defesa da ocupação dos territórios indígenas foi que aqueles que por si mesmos não submetiam e cultivavam a terra não tinham direito de impedir que outros o fizessem. Fetos: plantas da espécie que inclui samambaias e avencas.
(THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural. S. Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 17-18.)

Texto 2:
      Antes dos anos 80, o termo biodiversidade não era conhecido. Esse termo, que une as palavras ‘diversidade’ e ‘biológica’, foi popularizado pelo livro Biodiversidade, de 1988, organizado pelo biólogo norte-americano Edward O. Wilson, um dos pioneiros da ecologia, a partir dos debates do Fórum Nacional de Biodiversidade, realizado dois anos antes em Washington (Estados Unidos).
      O livro foi publicado no Brasil em 1997. No conceito de biodiversidade estão incluídos todos os seres vivos e as relações que esses organismos têm entre si e com o meio físico,  transformando e construindo florestas, lagos e todos os elementos da paisagem que normalmente chamamos de natureza. Assim, plantas, animais e ecossistemas passaram a ser entendidos como um complexo integrado, que dá forma e funcionamento à vida no planeta. A biodiversidade, portanto, não se refere exclusivamente aos organismos em si, mas também ao ambiente criado a partir da presença deles. É como um jogo de xadrez. De que valem as peças se não forem realizadas boas jogadas? Precisamos compreender as complexas regras desse jogo, para evitar ou minimizar nossas interferências nefastas. No caso da Amazônia, precisamos apreender a biodiversidade da região em toda a sua complexidade e dinâmica, entender os efeitos dos processos de
mudança e buscar as melhores soluções para a manutenção dessa diversidade.
(A Amazônia está mudando. Ciência Hoje, jul. 2007, p. 40.)

1) Relacione os textos 1 e 2 e considere as afirmativas a seguir: 

1. O conceito de biodiversidade, formulado no século XX, reflete uma avaliação das intervenções humanas sobre a
natureza diferente da concepção vigente no século XVI.
2. A busca de preservação da biodiversidade já estava implícita na atitude seiscentista de buscar, através do cultivo
da terra, converter a natureza em cultura.
3. Ambos os textos ressaltam a importância da agricultura para o homem e a natureza.
4. No século XVI, os reis e grandes proprietários que preservavam áreas incultas em suas terras pretendiam
garantir a sobrevivência de espécies vivas ameaçadas.

Assinale a alternativa correta.

a) Somente a afirmativa 4 é verdadeira.
b) Somente a afirmativa 1 é verdadeira.
c) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras.
d) Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras.
e) Somente as afirmativas 1 e 4 são verdadeiras. 5

2) No Texto 1, o autor: 

a) explicita como a relação homem/natureza era percebida no século XVI.
b) critica a atitude dos ingleses que colonizaram a América do Norte.
c) lamenta a profunda mudança na agricultura ocorrida ao longo de quatro séculos.
d) aponta a primazia do conceito de natureza sobre o de cultura no século XVI.
e) mostra-se saudosista quanto à concepção da relação com a natureza antropocêntrica e fundamentada na Bíblia.

3) Sobre o conceito de biodiversidade discutido no Texto 2, é correto afirmar: 

a) A biodiversidade é como um jogo de xadrez, em que as jogadas são realizadas pela natureza e estão imunes às intervenções humanas.
b) O conceito de biodiversidade está centrado no inventário do conjunto de seres vivos e dos ambientes físicos propícios à
vida desses seres.
c) O conceito de biodiversidade inclui o conjunto de seres vivos e as relações desses seres entre si e com o ambiente.
d) Só existe biodiversidade em locais preservados, com vegetação e fauna nativa e sem atividades de agricultura e pecuária.
e) Os estudos relativos à biodiversidade mostram que o meio físico independe da atuação dos seres vivos.

O texto a seguir é parte de uma entrevista publicada pela revista CULT e serve de base para as questões 4 a 6. 

     No final de maio deste ano, a revista Science publicou um trabalho que causou alarde para além dos muros da comunidade científica. Liderado pelo doutor Craig Venter, um grupo de cientistas norte-americanos conseguiu criar em laboratório a primeira célula controlada por um genoma sintético. A descoberta sinaliza para o fato de que a criação de seres vivos inéditos na natureza parece não estar distante, o que despertou a atenção de diversos setores da sociedade. Prova disso foi a atitude do presidente Barack Obama que, após tomar conhecimento do feito,  pediu a seus conselheiros especializados em biotecnologia que elaborassem um relatório sobre os possíveis prós e contras da descoberta. O Vaticano, por sua vez, conclamou para o debate ético, ao afirmar que a descoberta “deve ter regras, como tudo o que toca o coração da vida”.
      Esse exemplo é apenas um entre os tantos avanços recentes da ciência que suscitam acaloradas discussões. O homem está autorizado a criar seres vivos inéditos na natureza? Quais os dilemas éticos envolvidos? Qual o papel  da sociedade e dos cientistas diante desses dilemas? Para discutir essas e outras questões, a  CULT entrevistou uma das maiores autoridades brasileiras no assunto, a geneticista Lygia da Veiga Pereira.

     CULT – Com relação ao genoma sintético, é correto falar em “criação” da vida, como a mídia vem fazendo? 
      Lygia da Veiga Pereira – O que esse grupo [pesquisadores norte-americanos liderados pelo doutor Craig Venter] fez foi sintetizar no laboratório um genoma completo de uma bactéria e, ao colocar esse genoma dentro de outra, ele passou a reger a vida dessa bactéria. Então, rigorosamente falando, ele não criou vida, eu diria que ele reprogramou uma vida, pois transformou uma forma de vida A em uma forma de vida B. Trata-se  de um grande avanço tecnológico, pois ele mostrou que consegue sintetizar no laboratório um genoma de uma bactéria e que esse genoma funciona quando é posto dentro de outra.
       Por que eu digo que é um avanço puramente tecnológico? Eles de fato sintetizaram as moléculas de DNA em laboratório, mas a sequência daquele DNA já existia na natureza. O próximo passo, esse sim revolucionário, será criar um genoma inédito, que a natureza não selecionou. Baseados nos milhares de genes já descritos em bancos de dados, os pesquisadores poderão criar um genoma completamente inédito, inseri-lo em uma bactéria e então vão criar um ser vivo inédito. E para que fazer isso?
Porque eles acham que vão conseguir desenhar seres vivos que exerçam funções interessantes para nós, como, por exemplo, captar CO2 da atmosfera ou digerir o petróleo no mar. É um enorme desafio.

     CULT – Que implicações éticas você prevê para isso?
     Lygia – O dilema ético é que não conseguimos prever se esse ser vivo fará somente o que o pesquisador pretende que ele faça. Não sabemos se aquela bactéria que ele desenhou só para digerir o petróleo na água do mar vai, por exemplo, começar a digerir algas ou será tóxica para alguns peixes e então provocar um desastre ecológico. A questão é que os sistemas biológicos são muito complexos e não conhecemos todas as leis que os regem. Então, se propor a construir novos seres vivos, desenhar novos seres vivos talvez seja uma pretensão ainda muito grande, dado o nosso pouco conhecimento dessas leis. Pode-se ter a
melhor das intenções, mas, quando esse ser vivo estiver solto no meio ambiente, ele vai se comportar de forma imprevisível e o tiro pode sair pela culatra. É nisso que devemos prestar atenção.
(CULT, 16 jul. 2010.)

4) Segundo o texto, a imprensa divulgou a experiência realizada pelos cientistas como criação da vida em laboratório. 
Qual é o ponto de vista da geneticista Lygia da Veiga Pereira diante da descoberta relatada pelo dr. Craig Venter? 

a) Houve a criação de uma nova vida, pois o genoma da bactéria foi integralmente sintetizado em laboratório.
b) Não foi criada uma nova vida: o genoma usado no experimento foi extraído de uma bactéria, modificado e inserido em outro ser vivo.
c) Não foi criada uma nova vida, pois foi sintetizada a sequência de DNA de uma bactéria já existente e o genoma sintético inserido em outro ser vivo, o qual teve sua forma modificada.
d) Houve a criação de uma nova vida, uma vez que a bactéria que recebeu o genoma tornou-se um ser vivo diferente.
e) Não é possível concluir se houve ou não a criação de uma nova vida, uma vez que há divergências sobre o que seja criar vida em laboratório.

5) Segundo o texto, é correto afirmar: 

a) O presidente americano Barack Obama é contrário aos experimentos relacionados à criação de seres vivos mediante a
sintetização de genomas em laboratório.
b) A repercussão da descoberta relatada pela equipe do dr. Venter foi motivada pelas questões éticas a ela relacionadas.
c) Fora da comunidade científica, a notícia sobre a criação de uma célula controlada por um genoma sintético foi recebida
com aprovação e incentivo à sua continuidade.
d) A Igreja Católica manifestou sua aprovação à descoberta da equipe do dr. Craig Venter e propôs aperfeiçoá-la a partir de
um debate sobre ética.
e) A comunidade científica se mobilizou para questionar os resultados da pesquisa divulgados pela revista Science.

6) Avalie se as afirmativas a seguir correspondem ao ponto de vista expresso por Lygia da Veiga Pereira na entrevista a propósito da criação em laboratório de seres não existentes na natureza: 

1. A criação de seres vivos inéditos pode ser avaliada positivamente, uma vez que esses seres podem ser
projetados para exercer funções benéficas para os homens e outros seres vivos.
2. Antes de criar novos seres vivos, a ciência deve priorizar o estudo e a preservação da diversidade biológica
existente.
3. É necessário ampliar o conhecimento sobre os sistemas biológicos antes de colocar na natureza seres criados
em laboratório.
4. A criação de seres vivos inéditos representa uma ingerência humana injustificável nos processos naturais de evolução biológica.

Assinale a alternativa correta.
a) Somente a afirmativa 4 é verdadeira.
b) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras.
c) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras.
d) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras.
e) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras.

7) As expressões assinaladas no parágrafo inicial da entrevista fazem a retomada de informações apresentadas previamente no texto.

1  No final de maio deste ano, a revista Science publicou um trabalho que causou alarde para além dos muros da comunidade
2  científica. Liderado pelo doutor Craig Venter, um grupo de cientistas norte-americanos conseguiu criar em laboratório a primeira
3  célula controlada por um genoma sintético. A descoberta sinaliza para o fato de que a criação de seres vivos inéditos na natureza
4  parece não estar distante, o que despertou a atenção de diversos setores da sociedade. Prova disso foi a atitude do presidente
5  Barack Obama que, após tomar conhecimento do feito, pediu a seus conselheiros especializados em biotecnologia que
6  elaborassem um relatório sobre os possíveis prós e contras da descoberta. O Vaticano, por sua vez, conclamou para o debate
7  ético, ao afirmar que a descoberta “deve ter regras, como tudo o que toca o coração da vida”.

Assinale a alternativa que NÃO estabelece de forma adequada a relação entre a expressão destacada e a informação que essa expressão retoma.
a) “a descoberta” (linha 3) → a criação em laboratório da primeira célula controlada por um genoma sintético.
b) “o que” (linha 4) → a criação de seres vivos inéditos na natureza parece não estar distante.
c) “disso” (linha 4) → da criação em laboratório da primeira célula controlada por um genoma sintético.
d) “do feito” (linha 5) → da criação em laboratório da primeira célula controlada por um genoma sintético.
e) “seus” (linha 5) → do presidente Barak Obama.

8) Numere as frases a seguir, indicando a sequência em que devem ser ordenadas para compor um texto  coeso e coerente. 

(   ) Embora essa seja uma característica de municípios pequenos e médios, é observada também em duas capitais: Boa Vista (RR) e Rio Branco (AC).
(   ) Mesmo levando em conta essas vantagens e reconhecendo a importância das motos para a mobilidade  das pessoas, especialistas alertam para o aumento das mortes de motociclistas no país, que saltaram de 725 em 1996 para mais de 8 000 em 2009.
(   ) O índice se limitava a 26% no começo da década.
(   ) Essa preferência pela moto como principal meio de transporte em um número tão alto de municípios e mesmo em duas capitais da Região Norte pode ser explicada também pelo preço e facilidade de financiamento, com prestações que às vezes se limitam a 100 reais.
(   ) Office-boys substituídos por motoboys, jegues por motos, táxis por mototáxis, preferência pela moto como um recurso para escapar de engarrafamentos, ônibus caros, lentos e desconfortáveis.
(   ) O fenômeno, já observado desde os anos 90 está perto de se tornar predominante: quase metade das cidades brasileiras – 46% – já tem mais motocicletas que carros.

Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo. 
a) 4 – 2 – 3 – 5 – 1 – 6.
b) 6 – 3 – 5 – 4 – 2 – 1.
c) 6 – 4 – 3 – 5 – 1 – 2.
d) 5 – 4 – 2 – 3 – 6 – 1.
e) 4 – 6 – 3 – 5 – 1 – 2. 7

9)  Assinale a alternativa em que a expressão entre parênteses veicula significação equivalente à expressão grifada do enunciado. 

a) A perspicácia é uma qualidade de quem é observador, atento a tudo que está a sua volta. (curiosidade)
b) Esta situação dissuadiu investidores de investir na empresa, tal como foi evidenciado pelas dificuldades da empresa na obtenção de empréstimos bancários. (convenceu)
c) Discute-se a hipervalorização das artes e humanidades em detrimento das ciências “duras” e da engenharia, e a consequência do processo para o desenvolvimento tecnológico, científico e cultural do país. (no lugar)
d) Existem expressões que, não obstante terem um sentido jurídico, constituem termos da linguagem comum. (apesar de)
e) O existencialismo é, grosso modo, uma filosofia que põe em destaque a liberdade do homem. (de forma pouco polida)


10) Leia o texto transcrito abaixo, que pertence ao livro Muitas vozes, de Ferreira Gullar. 

MEU PAI

meu pai foi ao Rio se tratar de
um câncer (que o mataria) mas
perdeu os óculos na viagem
quando lhe levei os óculos novos
comprados na Ótica Fluminense ele
examinou o estojo com o nome da loja
dobrou a nota de compra guardou-a
no bolso e falou: quero ver agora qual é o
sacana que vai dizer que eu nunca estive
no Rio de Janeiro.

Assinale a alternativa correta. 
a) Em “Meu pai”, por enfatizar logo na abertura uma doença que terminaria por matar um homem, percebe-se uma crítica velada ao sistema de saúde do Brasil durante o Regime Militar (1964–1985).
b) O caráter narrativo do texto faz com que ele não pertença propriamente ao gênero poético, que se caracteriza por ser a expressão do eu.
c) Ao tratar de um evento cotidiano, Ferreira Gullar renovou a poesia brasileira, de tendência dominantemente espiritual, introduzindo nela temas antes considerados menos nobres.
d) “Meu pai” é uma exceção no livro Muitas vozes, já que nele não surge a forte crítica social que domina o livro.
e) Em “Meu pai”, como em outros poemas de Muitas vozes, o poeta lança mão da memória pessoal de fatos cotidianos para construir uma reflexão sobre a fugacidade da vida.

11) Assinale a alternativa correta. 
a) A crítica social presente em O pagador de promessas, de Dias Gomes, perde universalidade em função de seu caráter regionalista, pois sabe-se que, quando a peça estreou (1960), a visão conservadora do Padre Olavo já não se encontrava mais nas grandes cidades.
b) O regionalismo de  S. Bernardo, de Graciliano Ramos, é típico da segunda fase do  modernismo brasileiro, que se caracteriza pela exploração dos dramas sociais, deixando em segundo plano o aprofundamento psicológico das personagens, o que fica claro na brutalidade do protagonista, Paulo Honório.
c)  Inocência, do Visconde de Taunay, promove uma fusão entre as convenções do romance romântico, perceptível no caso de amor entre Inocência e Cirino, e os elementos regionais representados pela natureza, a linguagem e os costumes do interior do Brasil no século XIX.
d) Apesar do caráter universal da obra de Clarice Lispector, percebe-se a influência regionalista nos contos de Felicidade Clandestina, pois a ação de alguns deles acontece no nordeste brasileiro, mais precisamente na cidade de Recife.
e) Em “A vingança da peroba”, “A colcha de retalhos” e “Bucólica”, entre outros textos de Urupês, a imagem do Jeca Tatu, caboclo preguiçoso e ignorante, é substituída por uma visão positiva do caboclo, entendido como um homem de valor que não se desenvolve em função da desatenção das autoridades. 8

12) Leia o trecho abaixo de O pagador de promessas, de Dias Gomes, que narra o que acontece imediatamente depois da morte de Zé do Burro: 

DELEGADO (para o Secreta): Vamos buscar reforço. (Sai, seguido do Secreta e do Guarda)
O Padre desce os degraus da igreja, em direção ao corpo de Zé do Burro.
ROSA (com rancor): Não chegue perto!
PADRE: Queria encomendar a alma dele...
ROSA: Encomendar a quem? Ao Demônio?

Considerando tanto o trecho acima quanto a totalidade da obra, considere as seguintes afirmativas:
1. O Delegado, o Secreta e o Guarda saem com a desculpa de buscar reforço, mas na verdade fogem, porque percebem que a morte de Zé do Burro foi um erro e que a justiça irá cobrar explicações deles.
2. Rosa, apesar da raiva que sente de Zé do Burro no início da peça, do constrangimento público que a situação deles representa e de se ter entregado a Bonitão, termina sentindo que são mais fortes do que antes os laços que a ligavam ao marido.
3. A reação do Padre não tem traços de caridade cristã e se dá por puro medo, já que se sente ameaçado pelo fato de todo o povo que se juntou na praça estar contra a proibição da entrada de Zé do Burro na igreja.
4. O responsável por toda a tragédia é, no fundo, o próprio Zé do Burro, vítima da ignorância e da pobreza que geram o fanatismo religioso católico característico do Nordeste brasileiro.

Assinale a alternativa correta. 
a) Somente a afirmativa 2 é verdadeira.
b) Somente a afirmativa 3 é verdadeira.
c) Somente a afirmativa 4 é verdadeira.
d) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras.
e) Somente as afirmativas 2 e 4 são verdadeiras.

13) Assinale a alternativa correta. 

a) Em São Bernardo, de Graciliano Ramos, a mulher é vista como um ser submisso ao homem e, nesse sentido, o suicídio de Madalena representa uma aceitação dessa submissão feminina.
b) A ausência do ponto de vista feminino no  Romanceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles, não se deve a um machismo da autora, refletindo apenas as condições de vida da mulher brasileira no século XVIII.
c) Em Dom Casmurro, o silenciamento de Capitu, que só aparece ao leitor pela ótica de Bentinho, não pode ser atribuído ao machismo da sociedade brasileira do século XIX, já que decorre da psicologia individual de Bentinho.
d) Em Inocência, a visão de que as mulheres são seres sem racionalidade, escravas do próprio desejo sexual, que “não casam com carrapato porque não sabem qual é o macho”, justifica o isolamento em que vive a protagonista, fechada dentro de casa.
e) Em contos de Clarice Lispector como “Felicidade clandestina”, “Restos de carnaval” e “Uma amizade sincera”, as jovens personagens femininas nos são apresentadas antes de descobrirem sua sexualidade e aparecem relacionadas às personagens masculinas apenas por sentimentos infantis.

Gabarito: 1) B 2) A 3) C 4) C 5) B 6) D 7) C 8) E 9) D 10) E 11) C 12) A 13) D

Um comentário:

  1. Poderia ser mais resumido.
    Assim fica mt complicado!!!

    ResponderExcluir